www.diocesedejales.org.br

Temos pela frente a Semana da Pátria. Neste ano ela encaixa bem no calendário, com o início simultâneo do mês e da semana. De tal modo que o 7 de Setembro coincide com o domingo, que assim se torna duplamente festivo.

Na reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, ocorrida nesta quinta-feira que precede a Semana da Pátria, o presidente da República fez questão de ressaltar as novas perspectivas que se abrem para o Brasil diante das recentes descobertas de jazidas de petróleo, identificadas pela Petrobrás.

Elas vêm se somar às outras evidências que mostram como a natureza foi pródiga para com o Brasil. O próprio Hino Nacional expressa este sentimento que convida para a ufania patriótica, reconhecendo nosso país como “gigante pela própria natureza”.

Esta constatação foi facilmente inspirada pela contemplação da exuberância natural de nosso território, rico na sua superfície e no seu subsolo. Não bastasse isto, agora o país descobre que sua grandeza começa antes, no fundo do mar, em cuja superfície Cabral avistou o Monte Pascoal. Ele estava descobrindo uma nova terra. Mas havia outra descoberta a fazer, que Cabral nem podia sonhar e que agora a Petrobrás realiza, lançando âncoras bem mais profundas, encontrando uma riqueza insuspeitada, que ainda precisa ser resgatada.

Seja qual for a dimensão destas jazidas, precisamos convir que nosso país sempre foi privilegiado pela natureza, e agora pela conjuntura mundial. No momento em que o preço do petróleo sobe nas alturas, o país descobre que ele existe em abundância nas suas profundezas.

No contexto da Semana da Pátria, estas constatações nos desafiam a pensar no destino de nossa pátria. Como nação, no contexto mundial, temos uma evidente vocação para a grandeza. Ela precisa ser bem assumida, para não se transformar em motivo de irresponsabilidades, ou de incompetências.

O presidente Lula já sinalizou com lucidez os critérios que devem presidir a exploração dessas novas jazidas de petróleo. Elas são patrimônio de todo o povo brasileiro. E precisam ser colocadas a serviço do bem comum de todo o país. Em primeiro lugar para aprimorar o sistema educacional, que é o caminho melhor para cada brasileiro fazer a descoberta da riqueza que existe dentro de si próprio, e que somente pode ser explorada por cada um. Só quando a educação proporcionar a cada brasileiro a descoberta do seu valor e de sua grandeza este país será verdadeiramente grande, do tamanho que a natureza lhe reservou.

Aí vem a questão. A resposta à natureza e aos desafios que a história nos apresenta deve ser “tamanho Brasil”. Precisamos nos mostrar dignos da grandeza natural e histórica de nosso país.

Por isto, os índices que atestam nosso desempenho, nos diversos setores de nossa situação como país, precisam ter como referência a grandeza do Brasil. Não podemos dar respostas medíocres diante de possibilidades excepcionais.

A grandeza do país nos desafia para a grandeza de nossa realização nacional. Neste sentido, temos duas urgências a enfrentar: as desigualdades sociais e a responsabilidade ecológica.

Na citada reunião do Conselho nesta semana, a Fundação Getúlio Vargas apresentou índices promissores, que finalmente assinalam uma diminuição das desigualdades sociais no Brasil. Esta diminuição precisa ser acelerada. A desigualdade mostra que as riquezas não são bem distribuídas e, quando isto acontece, em vez de bênção, elas se tornam maldição, pois provocam simultaneamente a insegurança dos que têm e a desgraça dos que não têm.

Mas a superação das desigualdades não pode ser feita por um crescimento que provoque o desequilíbrio ambiental. Por sua grandeza natural, o Brasil tem claras responsabilidades ecológicas no contexto de nosso planeta. Elas precisam ser assumidas com determinação em nosso projeto de desenvolvimento nacional.

A grandeza do país nos convoca para a grandeza de propósitos, que a Semana da Pátria nos estimula a formular e a assumir. 04/09/2008

Obs: O autor é Bispo Emérito de Jales. 

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I