Taciana Valença 18 de outubro de 2021

[email protected]

Entre um e outro engarrafamento o jeito é olhar os outdoors.

Entre eles, propagandas dos colégios com rostos de jovens “vencedores”. Primeiro lugar em Medicina, segundo lugar em Direito, terceiro lugar em qualquer coisa que o valha.

Fico cá com meus botões imaginando que mundo chato é esse. Que cobrança para sermos algo, para nos tornarmos os melhores. Às vezes me parece que o mundo dá uma verdadeira aula de imbecilização.

Sim, tem que estudar, primeiramente, gostar de ler, “segundamente”, entender o que lê, “terceiramente”, interpretar e saber tirar suas próprias conclusões.

Decoreba não forma um cidadão pensante e quem não pensa apenas segue o traçado. Estudar sim, sempre. Aprender todos os dias alguma coisa, mas, antes de tudo, compreender o processo mundo e reagir a ele como seres humanos.

Ninguém ensina a ninguém a ser gente, a ser amigo, a ser companheiro, a ensinar ao outro e não fazer dele sempre o seu concorrente.

Alguém há de dizer: já se nasce bom, já se nasce ruim. Não! Valores são ensinados e prioridades também. Antes de tudo devemos querer que nossos filhos sejam humanos.

Eu detesto essas propagandas. Mas confesso que já coloquei meus filhos nesses colégios e até um deles foi parar em um outdoor também. Efeito manada, efeito cilada, efeito mundo de concorrentes e não parceiros.

Que merda, hein?

É merda mesmo, poeta diz merda quando não há adjetivo bonitinho para definir o mundo em que vivemos.

Na minha época a gente fazia esportes, brincava na rua, conversava nas calçadas, debaixo dos prédios. A turma descia para conversar. Estudava sim, claro, mas não assim, obsessivamente, concorrentemente, semgraçamente.

A gente encontra amigos antigos que exibem filhos como troféus, vencedores, os fodas. Não sei se um dia perguntaram se eram felizes, se não eram apenas robôs seguindo o sonho dos pais, de serem mais para terem mais, seguindo as regras do mundo.

Mundo que forma médicos para ficarem ricos e nem pensar em atender aos pobres. Mundo doente onde os que sentem são tidos como comunistas, loucos, esquerdopatas. Mundo doente onde pobres defendem seu próprio fim, se condenam, se recolhem e se deixam dominar por psicopatas.

Mundo doente onde pessoas que moram em um mesmo prédio não trocam duas palavras e quando se cruzam é quase um sacrifício dar um bom dia, quando dão.

Mundo doente de pessoas doentes e vazias que jamais entenderão que somos todos uma coisa só e que só evoluiremos quando entendermos isso.

Mundo doente onde quem sente precisa ser tratado e quem passa por cima de tudo para se dar bem é respeitado.

Obs: A autora é poeta, administradora e editora da Revista Perto de Casa.
http://pertodecasa.rec.br/

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I