Paulo Candéa 1 de outubro de 2021

Para começar, CANOLA sequer é um vegetal, e sim uma sigla para CANADIAN OIL LOW ACID. Portanto não existe “ÓLEO DE CANOLA”, a preposição “de” faz toda a diferença, o correto seria sim “ÓLEO CANOLA”. Mas e como isso começa?

Existe uma planta chamada COLZA a qual não pode ser ingerida, pois provoca miocardiopatia. Pois justamente essa planta é da família das brássicas – Brassica Napus – um tipo de mostarda a qual foi transformada transgeneticamente a fim de que tenha uma baixa concentração de ÁCIDO ERÚCICO, se você não conhece sobre a ação desse ácido no nosso organismo, vale a pena dar uma pesquisada. Antes, porém era usado só como lubrificante industrial e para automóveis. Atualmente, esse óleo é produzido, processado e exportado pelo Canadá, para finalidade comestível. O governo canadense fez com que o FDA classificasse a canola como GRAS (o que foi facílimo, dada a natureza criminosa daquela agência), termo em inglês para “Considerado seguro em geral”.

Essa ação fez com que os testes de qualidade de longo tempo não fossem realizados, contribuindo para que a falácia persista até os dias de hoje. O que foi endossado pelo governo brasileiro. Mas se a canola não é um vegetal…? Essa mesma planta foi utilizada para a produção do abominável “Agente Mostarda”, que é um gás letal o qual foi usado em algumas guerras, especialmente no Vietnã.

O governo canadense subsidia a maior parte dos custos de plantio e colheita. É um vegetal barato, fácil de crescer e resistente a insetos, porque, como já disse, foi GENETICAMENTE MODIFICADO. Mesmo que não fosse, é tão tóxico (por causa do ácido erúcico) que animais e insetos não o consomem. Para que pudesse ser comestível, o Óleo Lear (nome original), foi manipulado geneticamente para diminuir o teor desse ácido. Para evitar rejeição e ser normalmente introduzido no mercado de consumo humano, o nome precisava ser modificado. Daí o nome “Canola”, utilizado desde 1988. A bonita florzinha amarela que normalmente aparece nas embalagens do óleo, não se chama canola, é na realidade a COLZA, a qual citei acima.

Ainda hoje o óleo da colza é muito utilizado como substrato de óleos lubrificantes, sabões e combustíveis, sendo considerado venenoso para coisas vivas: ótimo repelente (bem diluído) de pragas em jardins. Médicos, descompromissados com a saúde pública e o respeito ao ser humano, afirmam que o seu uso, se contrabalançado com uma dieta rica em gordura saturada, evita os graves efeitos tóxicos. O que não é verdade. Eles dizem que o objetivo era produzir um óleo com pouca gordura poliinsaturada, e boa quantia de ácido oléico e ômega-3. O óleo de oliva tem estes predicados, mas sua produção em larga escala é dispendiosa. Assim, empresas com intenções oblíquas, como a MONSANTO (quem não conhece também dê uma pesquisada), produzem uma variação transgênica da colza, a que é usada no óleo comestível. Isto mesmo: CANOLA é absolutamente transgênica. Sua comparação aos benefícios do óleo de oliva é simplesmente um “GRANDE ABSUSURDO”: O óleo de oliva é bem mais caro, mas o canola é mais caro do que os outros óleos, apesar de ser de produção baratíssima (estranho)! O “óleo canola” está longe de ser saudável assim como se fala. Se observarem bem, pode deixar um cheiro rançoso nas roupas, pois é facilmente oxidado, e seu processo de refinamento produz, pasmem, as famigeradas GORDURAS TRANS (igual problema das margarinas, as quais eu espero que você nem as consuma mais) relacionadas às graves doenças incluindo o câncer. Produz déficit de vitamina “E” que é um antioxidante natural.

Obs: Paulo Henrique Mendonça Candéa, nascido em Juazeiro do Norte Ceará em 29 de dezembro de 1965 é Acupunturista e Naturopata com mais de 30 anos de experiência na prática e ensino, Mestre em Reiki e Fundador da Escola Fudô Myô de Medicina Oriental. O youtube disponibiliza na página inicial do Canal na aba, as informações básicas sobre mim. 

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I