Hoje, um simples papelão faz às vezes de cabine para o eleitor enfiar os dedos nas teclas. Votou. Não há mais cédulas, não há envelope, não há goma arábica para fechar o envelope e levá-lo até a mesa, onde presidente, secretário e mesário o rubricavam, a paciência de aguardar o eleitor na angustiosa tortura de assinar, ou desenhar,  o nome na sua folha de votação. Nos antigamente das eleições, os candidatos distribuíam sua cédula, que o eleitor, na cabine, colocava no envelope oficial, uma por uma. O envelope ficava gordo. As cédulas eram do tamanho de um cartão de visita, com poucas palavras: Para Governador Fulano de Tal. E daí por diante.

As cédulas eram disputadas. Primeiro, pelos barbeiros, que dela se utilizavam para limpar a navalha quando raspavam a barba do freguês. Durante muito tempo depois das eleições, ainda se viam cédulas nas barbearias. Depois, pela meninada, que, encerrada a votação, invadia a cabine para raspar o que lá ficava, a cédula bem alva, papel bonito, que a gente encarava como conquista, achando bonito o pacote de cédulas na sua uniformidade, embora, na prática, não servisse para nada. Já perto da eleição, os candidatos iam distribuindo. Depois da eleição, perdiam o significado, como, também, para a gente, perdia a graça.

Mas, o que mais me marcou na eleição de 1962 foi o tecido azulado, mescla pura, que cobria a cabine de votação. A sala da sessão, sem mais ninguém da mesa, era um convite a retirada do tecido da cabine, que, assim, simplesmente foi surrupiado, ficando apenas o esqueleto de madeira. Facilitava o fato de todas as sessões terem sido instaladas no Ginásio, as salas abertas, ninguém mais com autoridade suficiente para coibir o suave assalto. O ambiente facilitava.

Se, na seara da Justiça Eleitoral, foi tomada qualquer providência para se apurar, é fato que escapa aos meus conhecimentos. Se circulou  qualquer notícia a respeito, não sei informar. E, aliás, nem precisava. Os culpados se denunciaram espontaneamente. Não que tivessem ido confessar a infração ao juiz da comarca. Ninguém teria essa iniciativa, nem tampouco se  atreveria. A denúncia surgiu nos calções confeccionados com o tecido das cabines, aquele azul bem forte, que, no meio da semana, infestou o centro urbano. Dispensava explicação – Diário de Pernambuco,  8 e 9 de maio de 2021.

Obs: Publicado no Diario de Pernambuco
[email protected]
Membro das Academias Sergipana e Itabaianense de Letras   
 

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I