Lourença Lou 15 de setembro de 2021

Acordei pouco depois das seis horas – madrugada, para meus padrões atuais. Coração em batedeira. Sensação de perigo iminente, como se meus pés não encontrassem chão.
Saí para minha caminhada sem nenhuma vontade de olhar a vida. Em setembro, aqui no Sul de Minas, o sol é tão preguiçoso quanto eu. Um friozinho gostoso balançava de leve meus cabelos. As ruas começavam a movimentar-se.
Dobrei uma esquina e quase tropecei nele. Para não pisá-lo, ensaiei um salto. Acabei com um pé torcido e os joelhos no chão. Doeu. Doeu como se eu estivesse toda quebrada. A vontade de chorar me fez lembrar do ridículo de estar sentada, toda torta, em plena rua. Ele, o gatinho malhado e dócil, se encolheu contra o muro e silenciosamente ficou a me olhar.
Por uma associação louca, parte do sonho me veio à memória. A vontade de chorar aumentou. Usando o muro como arrimo, tentei me levantar. Uma senhora, que não vi de onde saiu, veio me oferecer ajuda. Meu orgulho de fodona quis negar. O pé latejante quis gritar. Peguei em seu braço e me encostei no muro. Respondi não a várias perguntas: não estava com celular, não sabia o número do meu neto, não morava naquela rua, não precisava se incomodar mais.
Depois de agradecê-la, voltei forçando o pé. Sabia que estava piorando tudo, mas não tinha outra opção. Sou nova no bairro, ninguém me conhece e não tenho nenhum juízo. Segurando o choro, me lembrei que tenho terapia logo mais à noite. Meu terapeuta é junguiano. Ao menos tenho parte de um sonho para contar a ele.
O pé é o de sempre. Aquele que já quebrou duas vezes e já luxou inúmeras. Está aqui, olhando pra mim por debaixo das faixas e da bota. Ter um pé assim, tão sensível e mimado, deve ser uma dádiva. E na simbologia de Jung, gatos e pés podem ser de bom augúrio. Oxalá!

Minha doce vingança:

Obs: A autora é mineira. Formada em- Letras pela UFMG, pós-graduou-se na UEMG em Administração Escolar. Às vezes é prosa, outras, poesia. Participou de várias coletâneas, Livro da Tribo, revistas e jornais literários, impressos e virtuais, com poemas, crônicas e contos. Publicou três livros de poesia pela Editora Penalux: Equilibrista (2016), Pontiaguda (2017), Náufraga (2018). Nesse ano, 2020, publicou seu primeiro livro de contos – O Insuspeitável perigo do instante-beijo e outros contos – 

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I