O João-de-barro está ao lado da casa, por ele construída, em um galho do flamboiã. A minha aproximação, munido de celular, pronto para uma foto, não o assusta. Ao contrário, abre o bico para seu gorjeio, como a dizer que me oferece um quadro completo, ele, a casa e o canto. Eu consigo só a foto. Não há tempo para acionar o gravador. O sol não me ajuda. Mas, mesmo assim, altero minha posição e disparo três vezes. À tarde, com o sol nas costas, retorno para novas tentativas de captar a casa e o seu construtor. De logo, o esclarecimento: não é só uma casa, mas três, na mesma árvore, todas em galhos diferentes.

A proprietária da fazenda me garante, por tudo quanto é santo, que não concedeu nenhuma permissão, nem consta ter o João-de-barro solicitado qualquer pedido de autorização ao poder público municipal para construir, ali, nos galhos do flamboiã, três casas. Já o vaqueiro, que acompanhou alguma parte de tudo, me revela que o casal de João-de-barro, uma vez o macho, outra, a fêmea, descia e, numa área onde a chuva criou lama, o bico se enchia de lama, e, então, batia asas em direção ao flamboiã. Um ia, outro vinha, alternando-se na busca do barro, o esforço dividido no bico de cada um, sem ter essa história da fêmea ficar em casa cuidando da cozinha.  Na casa do João de barro, todos trabalham. Todos, entenda-se, o casal. Não há notícias acerca da procriação, não que não ocorra, apenas esteve fora dos meus questionamentos.

Porém, nem de tudo nasce flores. O João-de-barro é um construtor que depende da chuva, para dela nascer o barro, no chão sem vegetação onde muitos trafegam e pisam. Contudo, não há como saber que, levantada a casa, a chuva, de repente, desapareça, o sol se faça presente, a fim de endurecer o barro. Nesse sentido, uma casa, já erguida em um jenipapeiro, não estava ainda solidamente segura para enfrentar a chuva, e, resultado, se desmantelou. A chuva, que enseja a lama, desajuda, quando não espera o barro endurecer. Bom seria se o João-de-barro tivesse plena consciência das condições do tempo para só construir quando a meteorología anunciar o momento exato. Aí o rabo do porco torce o rabo de vez. Complicou. Olho para um lado, para outro. O problema é do João-de-barro. Não é meu. Desisto. Volto a ler – Diário de Pernambuco,  13 e 14 de fevereiro de 2021.

Obs: Publicado no Diario de Pernambuco
[email protected]
Membro das Academias Sergipana e Itabaianense de Letras   

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I