Mauricio Soares 1 de setembro de 2021

[email protected]

Um desenho de amor

Vivo da saudade dos amigos e amigas de outrora,
Saudade não é passado… sim um projeto vivo de amor… futuro sou
Na saudade… penso… medito melhor…então medito…
Os mundos… mensagem… tudo numa disparada
O que faz cada parte ser Una,
Me escuto na escuta… ermida sou,
Vivo na saudade do Eterno Amor…
Uma saudade suave que me beija como vou… sou
Ah… inflado é o fogo da procura,
Que sai da poética da vida… vida vivida,
Sinto a vida no saudoso som da poetisa… a vida,
Sal … pedra sou no teu jeito de ser no salobro de mim,
Sinto saudades do sopro… sons… teu ouvido,
Teu hálito sendo dentro do existir em mim…
Me encontro de novo sendo saudade dos amigos e amigas que fiz aqui e ali,
Fiz pessoas… gente muito feliz…
Ah fiz…
Sou o sopro de amor dentro da vida,
Sinto a embriaguez na lua cheia… ela se esparrama dentro de mim,
Sinto saudade do sopro da vida,
Ah… sou vida
Sou de pele mulata…
Aberto a diversidade,
Sou a pele que não tem cor…
Sou índio… mameluco… no registro sou pardo… todas as cores,
Meu nome é Maurício… Mauro… moreno… mouro sou,
Na minha negritude branco é galego o ser da cor é não ter cor,
Sei… não sou cor ou será que sou todas as cores?
Pele não tem cor…sons sou… chamado da cor… sons,
Ah… saudade sou… essa é minha cor,
Sou calmo e manso
Pavoroso quando estou indignado,
Sendo confrontado pela maldade da falta de inteligência,
Sou uma explosão vulcânica,
Me indigno com o desamor….
Vivo na fé… dentro do mistério ando e sou
Aprendo com a vida,
Rezo na diversidade do amar…
Sou saudade… vivo na escuta da verdade
No dia-a-dia sou no mistério,
Vivo sendo filósofo e poeta da liberdade… livre sou,
Será que sou um caleidoscópio da existência?
Ou só Acamadas?
Uma sinfonia da vida a se sonorizar sou… escuta de mim,
Ah… apena sou uma pergunta a se interpelar,
Quero mesmo é ser um eco do realejo… som de um sonorizar,
Um canto em seu sempre recomeço… refrão! Ruminação…
Ser no meu lá dentro…
Um homem
Sendo a voz dos oprimidos,
Num mundo dos excluídos…
Que não têm som nas esquina da vida…
Injustiçado sou…
Voz da dignidade sou…
Sendo plenitude na diversidade,
Essa é minha espiritualidade…
Ser em-Deus… na saúde de tu em-mim,
Seguindo na labuta vou…
Vem comigo lutar por justiça social…vem!

Mauricio Soares
Caleidoscópio

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I