http://pirafraseando.blogspot.com/

E não é que de repente todos passaram a se preocupar com o meio ambiente!?

Para que isso fosse possível, foi preciso a ausência de chuva por um longo período e a iminente ameaça de racionamento de água, especialmente nos grandes centros, para subir de vez a temperatura da opinião pública. No exterior, tornados mais intensos, terremotos decorrentes de deslocamento das placas tectônicas, além de outras manifestações da natureza, estamparam manchetes em jornais de todo o mundo.

A quebra seguida de recordes de temperaturas elevadas agora tornou-se a estrela dos grandes debates sobre o meio ambiente, sendo que a maioria se posiciona categoricamente contra os países mais industrializados, apontando-os como sendo os principais responsável por insuportáveis ondas de calor, devido aos índices galopantes de aumento da poluição. A alta temperatura, decorrente do chamado efeito estufa, nada mais é do que a constatação do estado febril em que o planeta doente se encontra.

O acirramento de polêmicas sobre questões ecológicas tem produzido energia suficiente para gerar discussões acaloradas. É bem verdade que a maioria da população não dispõe de dados necessários para dar um parecer preciso acerca do assunto, mas, mesmo assim, muita gente faz questão de se informar para poder emitir a sua opinião e isso pode ser visto, de certa forma, como sendo algo positivo.

Sentir “na pele” os efeitos desse desequilíbrio ambiental deixou de ser visto apenas como modismo, ganhando o status de saúde pública e preocupação individual com os desdobramentos mais delicados, que desembocam naquilo que se convencionou chamar de “qualidade de vida”, algo que passou a ser do interesse de todos.

A água, por exemplo, um recurso natural abundante e essencial à vida, é objeto de descaso de autoridades, uma vez que muito próximo das grandes cidades são lançados esgotos domésticos e resíduos industriais das mais variadas origens, deixando peixes e outros seres vivos sedentos por um pouco de águas claras. Em seu leito a vida já não vem encontrando mais condições para se desenvolver e, a continuar assim, tudo que ali existe estará caminhando em direção à morte certa.

Apesar de que alguns segmentos tenham se manifestado e se movimentado sobre o assunto, boa parte ainda se mantém neutra, para não dizer omissa. Embora muitos digam que a natureza é a manifestação visível de Deus, as religiões, em particular, demoraram para saírem do “estado morno” em que se colocaram até então.

É sabido que a água é usada como símbolo em muitos cultos, em várias partes do mundo. Algumas vezes em rituais de batismo, outras para lavar escadarias e outras, ainda, para cerimônias à beira mar. Existem, também, as mais diversas maneiras de utilizar a água e todas com um forte significado simbólico, na maioria das crenças. No entanto, penso que já passou da hora de perceberem que a água não é apenas um simples símbolo. Mais do que isso, esse líquido precioso é essencial para preservar aquilo que se tem de mais sagrado: a VIDA!

Segundo muitas religiões, ao Ser Supremo coube criar e ao ser humano cabe a incumbência de preservar a criação. Infelizmente, ao invés de se posicionar como “filhos de Deus”, como se autodenomina, a chamada “principal” de suas criaturas tem se portado como o mais temido e destruidor das espécies que habitam essa “nave azul” suspensa no universo, chamada de “Mãe Terra” por todos nós, seus ingratos viajantes.

===========================================

IMAGEM SUGERIDA: enviada pelo autor

https://pixabay.com

Obs: Paulo Cesar Paschoalini nasceu em 20 de março de 1960 em Piracicaba-SP. É graduado  em  Licenciatura  em  Filosofia,  escritor  de  poesias  e  contos,  com  premiações em Concursos nacionais e internacionais, tendo, inclusive, textos  de ambos os  gêneros  publicados  no  exterior. No ano de 2003 publicou o  livro “Arcos e Frestas”, “3º Concurso Blocos de Poesias”. Também já foi  premiado  na  categoria  crônicas, sendo  que algumas  delas  foram  publicadas  no  Jornal  de  Piracicaba  em  2001, 2002  e  2005. É compositor (letrista) de vinte músicas de diversos estilos. É Acadêmico da “CLIP – Confraria da Liberdade e Independência Poética”, onde ocupa a cadeira nº 32, tendo como patrono o poeta Mário Quintana. Escreveu os originais de “Mar adentro, mundo afora” (poesias) e “Paredes e tons” (contos), aguardando patrocínio para lançamento.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I