https://www.profmarcelcamargo.com/
https://www.facebook.com/profmarcelcamargo
https://www.instagram.com/profmarcelcamargo/

É preciso acreditar que aquela dor passará, que o que foi embora não era para ter sido, que o que saiu abrirá espaço para que o novo chegue e preencha o vazio com verdade, amor e felicidade renovada.

A vida costuma ser muito dura, às vezes, o que nos leva a ter que recorrer a tudo o que possa trazer um pouco de consolo. Quando o chão parece ruir, quando nada mais vislumbrar alguma saída, costumamos nos agarrar àquilo que resta dentro de nós, porque então nada lá fora parece poder ajudar de alguma forma.

Nos momentos de dor é que nossa espiritualidade aflora mais fortemente, pois temos que nos reestruturar sozinhos, a partir do que possuímos aqui dentro, retirando motivação e esperança de onde prevalece tristeza e desesperança. É então que a gente busca uma compreensão embasada na fé, na força interior, na ajuda de um ser supremo, do universo, enfim, de alguma energia invisível que traga luz, esperança, motivação e aceitação.

Acreditar que o amanhã será melhor, que tudo tem uma razão de ser, tudo é aprendizado, portanto, não pode ser tido como pensamento simplista sem fundamento, como um mero consolo bobo. Trata-se, sim, de uma postura que alenta e nos motiva a não desistir, não paralisar, não permanecer encostado na dor. Entender os sofrimentos como um preparatório para mudanças positivas que virão nos abre as portas para que enxerguemos um futuro menos denso e triste.

E é assim que deve ser, quando dos rompimentos que pontuam a nossa jornada. É preciso acreditar que aquela dor passará, que o que foi embora não era para ter sido, que o que saiu abrirá espaço para que o novo chegue e preencha o vazio com verdade, amor e felicidade renovada. É preciso ter a esperança de que seremos felizes, porque temos o direito de viver junto a pessoas que torcem por nós e devolvam afeto na mesma medida do que temos a oferecer.

Se tivermos paciência para aguardar a passagem do tempo, perceberemos, lá na frente, que muitas coisas e muitas pessoas saíram de nossas vidas e não deixaram saudade alguma, muito pelo contrário. Perceberemos que ficamos mais fortes, mais sábios, mais gente de verdade, porque sobrevivemos às quebraduras que a vida provoca. Sobrevivemos e sobreviveremos, pois há muito ainda ali na frente que iremos encontrar sorrindo. 18 de agosto de 2018

Obs: O autor é graduado em Letras e Mestre em “História, Filosofia e Educação” pela Unicamp/SP, atua como Supervisor de Ensino e como Professor Universitário e de Educação Básica.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I