[email protected]
dirceubeninca.wordpress.com

Nenhuma necessidade básica pode ser considerada supérflua para quem a possui. E há muitos com múltiplas necessidades básicas não satisfeitas. De outra parte, uma pequena parcela da sociedade alça seus desejos ilimitados e insaciáveis como necessidades irrevogáveis, originando e dando sustentação à perversa desigualdade social que caracteriza o capitalismo ultraliberal. Então, podemos afirmar que ao par do mundo das necessidades há o mundo das insuficiências.

Refiro-me aqui mais especificamente à importância e à necessidade da ciência. Ela foi e se apresenta cada vez mais indispensável na sociedade pós-moderna. Todas as ciências, embora imprescindíveis, também são insuficientes. E assim ocorre porque nenhuma delas, em particular, e nem todas juntas são capazes de abarcar a complexidade da realidade e o mistério da vida. Entretanto, atualmente há uma tendência, que se acentua de forma assombrosa, de negar o valor e o alcance da ciência. Fenômeno que se associa à negação da verdade, da realidade, da vida e da dignidade humana. Tempos de todo estranhos!

Dos gregos aprendemos que filosofia é a ciência da amizade com a sabedoria (philos= amigo; sophia = sabedoria). E aprendemos também que o prefixo “a” exprime negação. Assim, o neologismo asophia traduz a noção e a possibilidade real de negarmos a sabedoria, quer consciente, quer inconscientemente. E pode-se, inclusive, chegar a gabar-se de negar o conhecimento, a sabedoria, a ciência e o necessário processo permanente do aprender. Ao negar a necessidade básica de aprender a aprender, aprender a viver e conviver, nega-se também a identidade humana fundamental de aprender a ser e a ser mais e melhor.

Conhecimento não é sinônimo de sabedoria. Pode-se conhecer apenas de forma racional, somente com a cabeça. O conceito sabedoria faz pensar no saber para além do conhecer. No saber que inclui conhecimento, mas remete para o ser e o fazer. Ser sábio é diferente de ser conhecedor. A junção do conhecimento com a sabedoria constitui a verdadeira educação. Nas palavras do educador Paulo Freire, cujo centenário de seu nascimento celebramos em setembro de 2021, a verdadeira e necessária educação precisa ser libertadora e humanizadora.

No desejo de buscar conhecimento, pode-se ir à Universidade. Nela é possível construir conhecimento, mas não só; também sabedoria. Pelo reverso, é possível não construir nem um nem outra. Ao invés de fortalecer a filosofia, pode-se elevar a asophia. Esse é o pior resultado que um ambiente universitário pode produzir. E, infelizmente, não é raro constatar esta realidade, onde educadores (ex= fora; ducere = conduzir; conduzir para fora) se transformam em meros transmissores de conhecimentos e estudantes se condicionam a ser meros depositários de informações.

estudante universitário que afirma: “tirei nota baixa, mas o importante é que passei” nega a ciência, o processo educativo e também a capacidade de se aprimorar na sabedoria. O governante que nega a gravidade de uma pandemia, que orienta ao consumo de medicamentos de eficiência não comprovada, nega a ciência, age sem prudência e promove perdas vitais e irreparáveis. O líder religioso que utiliza da fé do povo e das Escrituras Sagradas para oprimir, alienar e produzir fanatismo também nega a verdadeira religião, a Ciência Teológica e a prática da libertação.

Toda informação, toda tecnologia, todo conhecimento e toda ciência são importantes. Porém, se não vierem acompanhados do diálogo, do respeito, da sabedoria e da sensibilidade poderão pôr tudo a perder. Conhecimento com arrogância se torna desprezível. Ciência sem sabedoria pode se tornar perigosa. Tecnologia sem prudência pode gerar o caos e a barbárie. Portanto, trata-se de buscar sempre o que é necessário sem desconsiderar o essencial. No equilíbrio entre o necessário e o essencial poderemos avançar no caminho que nos torna mais humanizados, tal como enfatizou Paulo Freire! 27.08.2021

  Texto publicado em

http://www.ihu.unisinos.br/612377-a-insuficiente-necessidade-da-ciencia

Obs: O autor é Doutor em Sociologia, pós-doutor em Educação e professor da Universidade Federal do Sul da Bahia

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I