[email protected]
http://marcelobarros.com

Neste ano de 2021, no Brasil, no campo ecumênico das Igrejas, uma das mais importantes novidades é a criação da Rede Ecumênica da Água (REDA). Iniciativa do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC), este organismo reúne cristãos e cristãs de várias Igrejas com o objetivo de promover o cuidado com a água potável como direito de todo ser vivo e bem comum da humanidade. Como tudo está interligado, a defesa da água potável abrange mesmo as não potáveis, como as dos oceanos e todas as águas, como elementos fundamentais dos quais depende toda a vida no planeta.

A defesa das águas é assunto prioritário para todas as correntes espirituais que ligam a fé com a vida.  Em todas as religiões, os elementos considerados sagrados devem ser profundamente respeitados e protegidos. Ora, no mundo capitalista, a água, assim como a terra e toda a natureza são consideradas meramente como mercadorias a serem exploradas, sem outro critério a não ser o lucro das elites.

De fato, neste mês de agosto um alerta importante foi dado sobre a estiagem na região do Pantanal, que atinge rios, vales e baixadas nos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Já há quase três anos sem enchente nos rios, a região enfrenta uma das piores secas do século. Felipe Dias, diretor do SOS Pantanal, afirma com clareza: “A crise é consequência de falta de proteção de nascentes, de cursos d’água. É falta de recarga dos aquíferos com a impermeabilização que fazemos nos solos”.

Em outras regiões como Minas Gerais e a Amazônia, as mineradoras e o garimpo continuam provocando destruição sistemática e cruel de rios e fontes de água com consequências sempre mais trágicas.

Por isso, não deixa de ser consolador ver que, em todo o continente latino-ameriano, cada dia cresce mais a consciência de que a defesa da água é responsabilidade de toda a sociedade civil. Em julho deste ano, Gualegaychu, cidade da região de Rosário na Argentina, aprovou oficialmente a realização anual de uma Semana do Direito Humano à Água e ao Saneamento Básico. Isso foi consequência de uma luta árdua e que vem de muitos anos da sociedade civil e de instituições como  a Ágora dos/das Habitantes da Terra na Argentina e a Cátedra da Água na Universidade de Rosário, luta coordenada pelo professor Anibal Facciendini e sua equipe. Gualegaychu é uma cidade que luta contra indústrias de pasta e papel que contaminam o rio Uruguai que banha toda aquela região. O objetivo da semana anual do Direito Humano à Água e ao Saneamento é conscientizar a população e lutar contra a mercantilização e privatização da água e dos serviços de saneamento.

A falta de saneamento ambiental, sobretudo em países pobres, colabora para a contaminação dos mananciais. Conforme dados da ONU, no mundo atual, mais de 1,2 bilhões de pessoas não têm acesso à água potável e 2,4 bilhões não têm acesso ao saneamento. O impacto na saúde humana e no meio ambiente é trágico. Agrava-se ainda mais essa situação quando a ambição, visando usos futuros privados da água, a privatiza. A partir de dezembro de 2020, pela primeira vez na história, a água passou a ser negociada como commodity no mercado futuro em bolsa de valores. Em Wall Street, na Bolsa de Valores de Nova York, a Nasdaq lançou  o Nasdaq Velez Califórnia com o seu Water Index (a cotação da Água).

As culturas originárias e toda a sabedoria ancestral da humanidade nos ensinam que “estamos vinculados ao universo através da água”. Para quem crê em Deus, em qualquer que seja a tradição religiosa, a água é sempre vista como expressão cósmica do amor divino. Por isso, a Rede Ecumênica da Água, mesmo sendo iniciativa de Igrejas cristãs, provoca o diálogo e o ecumenismo entre as culturas e com outras religiões. Além de ser uma rede em defesa da água, estimula a espiritualidade ecológica. Esta ajuda as pessoas e comunidades a integrar a água como sinal e instrumento de união com o todo o universo que nos cerca. Em nossos dias, toda a humanidade precisa considerar a Água como santíssimo sacramento da vida.

Obs: O autor é monge beneditino e teólogo católico é especializado em Bíblia e assessor nacional do Centro Ecumênico de Estudos Bíblicos, das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares.
É coordenador latino-americano da ASETT (Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo) e autor de 57 livros publicados no Brasil e em outros países. O mais recente é Teologias da Libertação para os nossos dias (Vozes).

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I