Dasilva 15 de julho de 2021

“Imagina-te como uma parteira. Acompanhas o nascimento de alguém, sem exibição ou espalhafato. Tua tarefa é facilitar o que está acontecendo. Se deves assumir o comando, faz isto de tal modo que auxilies a mãe e a deixes que ela continue livre e responsável. Quando nascer a criança, a mãe dirá com razão: nós três realizamos esse trabalho. Adapt. de Lao Tse, séc. V a. C.

  1. O debate sobre Educação Popular revela concepções e interesses contraditórios. Para alguns é uma ferramenta, na luta pela emancipação de toda forma de opressão. Outros reduzem-na ao mero processo de ensino e aprendizagem – metodologias para provocar o “participativo”. Os populistas usam como linguagem em suas capacitações para facilitar e reproduzir ideias da classe dominante. E há os que usam, com roupagem acadêmica, para insinuar pretensa neutralidade e negar o caráter politizador da Educação.
  2. A educação é uma das maneiras de tornar comum o saber, ideia, crença consideradas como bem, trabalho ou vida. A educação, por si só, não transforma a realidade, mas sem ela a sociedade muda ou se mantém. A educação tem um papel na organização da sociedade para ordená-la, reformá-la ou até revolucioná-la. Não há só uma forma ou modelo de educação. A intencionalidade política da Ed. Pop. é direcionar a ação a partir da ideologia que dá às forças sociais e políticas, presentes no meio dos pobres.
  3. A educação é uma disputa de hegemonia. Uma classe tem hegemonia sobre outra classe quando exerce sobre ela um processo de direção no plano político, cultural e ideológico. A hegemonia se constrói e se recria, na vida cotidiana. Por ela que se interioriza valores e constrói sujeitos domesticados ou críticos. O capitalismo, por exemplo, mesmo sem resolver os problemas da sociedade, convence o povo de que não há alternativa de vida, fora desse sistema. Quer dizer, não existe formação politicamente neutra.
  4. Faz Política quem tem Poder, quem tem a força necessária para decidir em todos os espaços, na sociedade. Numa sociedade de classes, não pode haver educação que seja a favor de todos – será sempre a favor de alguém e contra alguém. Serve para a pessoa se acomodar ao mundo ou se envolver na sua transformação. Ao ser conservadora se coloca a serviço de grupos que ganham com a manutenção da dominação. Ao ser libertadora aponta para uma ordem sem a marca da exploração.
  5. A educação acontece na escola que significava ócio, espaço criativo. Hoje, a escola pode educar ou escolarizar. Em geral, treina passivos sujeitos para se tornarem Força de Trabalho a ser vendida no mercado, em troca do salário para garantir a sobrevivência. O saber é libertador quando vai além do enletramento ou entender conceitos. Pois, educação é uma informação que se usa; que se torna ação prática. É conhecimento quando faz parte da vida, quando ajuda a conhecer o mundo para transformá-lo.
  6. A Ed. Pop. assume que é uma concepção política-pedagógica na formação dos oprimidos, na sociedade de classes. Significa todos os esforços de mobilização, organização e qualificação (política, técnica e cultural) que preparam as classes populares para o exercício do poder que necessariamente devem conquistar. Sua missão é despertar e desatrofiar o corpo, mente e coração e, com isso, devolve a voz ao povo e o transforma em sujeito político capaz de decidir seu destino e o destino da sociedade.
  7. Portanto, não se reduz a dinâmicas e metodologias. Pedagogismo, metodologismo infantilizam as pessoas, produzem a euforia do participativo, mas não preparam atores políticos para entender e comprometer-se com a transformação da realidade. Quem faz só pedagogia, só metodologia, sem visão política, faz a contra-educação popular. Assim, não existe Educação Popular fora de processos de luta popular. Ela qualifica a classe oprimida para romper com a lógica do capital e construir uma nova ordem social.
  8. A Educação Popular parte da afirmação que toda história tem dois lados e adota o método dialético que olha a realidade em permanente tensão e intenso processo de luta. Pois, o conflito está na essência da vida. O conflito gera o movimento, que gera a mudança, a vida social, a história. A Educação Popular, então, encara a contradição, como desafio e possibilidade: a contradição é a chance de mudança. O movimento criado pelo conflito dá a certeza de que o mundo não foi e nem será sempre assim: tudo pode mudar, tudo o que foi construído pode ser desconstruído e reconstruído.
  9. A Educação é uma ferramenta da organização popular que ajuda a traduzir, divulgar e recriar o saber; que contribui e acompanha a elaboração e a implantação de sua estratégia; que qualifica pessoas que se dispõem a transformar, pela raiz, o sistema capitalista. Por isso, ajuda a elevar o nível de consciência da classe oprimida; busca incorporar a massa como ator político; facilita a assimilação e aplicação da metodologia participativa e compromete o educando na multiplicação criativa do aprendizado.
  10. Para obter coesão, a organização popular constrói processos de convencimento. Isso fortalece o grupo e torna possível conquistas e a implantação de um projeto que garanta seus interesses, de forma permanente. Então, não forma uma pessoa e depois vê o que ela vai fazer. Aposta em quem já luta, pois, o conteúdo, o método e o ritmo da formação se orientam por uma concepção de mundo e objetivos concretos. Prioriza homens e mulheres que trabalham e têm a capacidade de mudar as condições da existência.
  11. Educação se refere ao processo pedagógico de Por isso, acolhe o que o povo já sabe, mas problematiza suas “certezas” para ajudá-lo a dar outros passos e, com uma postura de diálogo onde não há superiores, partilha o saber acumulado da prática social. É Popular porque significa que é uma pedagogia que tem lado – opta por um dos polos na luta de classe, a classe explorada que pode assumir a intencionalidade de qualificar atores políticos para a construção de uma nova ordem social.
  12. A pedagogia da Educação Popular leva em consideração o querer dos educadores, sua mundivisão e seus acúmulos; o interesse da classe que trabalha expresso em demandas e a o contexto da teia de relações econômicas, históricas, culturais, políticas, sociais… Tudo isso, dentro de uma postura de intercâmbio entre educadores e educandos. Por isso, nos processos de luta e organização popular, a formação aposta em pessoas e experiencias que, em ondas, possam irradiar práticas exemplares.
  13. A eficiência e eficácia da Educação Popular se comprovam quando: anima e apaixona o oprimido ao resgatar sua identidade e autoestima; rompe a dormência e a sensação de impotência gerada pela opressão; mobiliza por conquistas concretas; qualifica pessoas para atuarem na realidade social; eleva o nível de consciência; provoca a multiplicação criativa; canaliza os processos legítimos de luta pela emancipação e articula práticas, em níveis cada vez mais amplos.

Em resumo, a Educação Popular entende como tarefa educativa o processo de recolher as ideias dispersas do povo; transformá-las em ideias sistematizadas; voltar e devolver essas ideias ao povo para que as assuma e as traduza em ação; verificar a justeza dessas ideias na vida concreta. Para isso, só há um caminho: ir para o meio do povo, aprender com ele, tirar das experiências princípios e métodos e ajudar o povo a pô-las em prática para resolver seus problemas e alcançar a libertação e a felicidade.junho/2021

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I