[email protected]
http://ronaldo.teixeira.zip.net/
http://lounge.obviousmag.org/espantalho_lirico/

Quando viemos a este mundo
cegamos com tanta beleza.
Era tudo perfeito demais.

No início era o olho.
Mas criamos o verbo
para dominar coisas e seres.

Talvez, por isso, esse senso de estranhamento,
de não pertencimento
que trazemos encalacrados.

A excessiva beleza
nos cegou os olhos.
E fizemos da língua o nosso cajado-mor
decifrador do mistério e do encantamento reinantes.

Palavras são gaiolas.
Prendem a alma das coisas e seres.
Sabem apenas do alfabeto das finitudes e reduções.

A palavra aprisiona o ser,
material e imaterial.
Profiro-a e o finito dos sentidos se agiganta,
enquanto a minha percepção das possibilidades
se apequena.

Prefiro o grito surdo do olho
que vê sem dominar.

Todo olho transborda.
É preciso analfabetizar a língua
porque o sentido das coisas é ser e transbordar.
Para que elas voltem a ter
suas transcendências e singularidades.
Porque quem disse que o olhar gasta o ser olhado
foi o homem dominado pelo medo da beleza.

Criamos palavras que estão aquém e além do
ser e da coisa nominados.

Ornitorrinco, por exemplo,
só com o olho podemos percebê-lo.
É quando a palavra se torna mais estranha
do que o próprio ser.

Paralelepípedo é outra.
Fantasmagoria verboalucinante que
falando muito não diz nada.
Reverbera mas não traduz o vazio denso
contido na própria composição da pedra,
que há milênios porta uma mensagem indecifrada.

E isso tudo é tão mais estranho quanto a própria
estranheza do ser denominado.

Estamos fatigados de ver e rever.
É preciso transver o mundo
como disse o poeta.

E só o olho tem a dosagem exata
da imagética necessária
pro encantamento do humano viver.

Mas o homem
há muito domesticou o verbo
e isolou a tríade sagrada do olhar:
o ver, o sentir e o perceber.

Por isso,
esses olhos trevosos
de quem hoje olha pro mundo
e não vê mais nenhuma beleza.

(palmas, tocantins, aos 4 dias do ano de MMXV)

Obs: O autor é Jornalista e Gestor Cultural.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I