http://obviousmag.org/denis_athanazio/
https://denisathanazio.wordpress.com

Em uma relação de confiança, para o bem ou para o mal, se revela um Eu mais próximo do que realmente somos. Quanto mais nos sentimos seguros em relação a alguém, mas a nossa alma se desnuda.

Na praça, um homem brinca com a criança empurrando-a no balanço. Pela intimidade, me parece pai e filha. Segurando firme na cadeirinha, a menina se diverte sorrindo para o céu. O divertimento ou o medo paralisante da brincadeira, dependerá da sensibilidade e responsabilidade de quem empurra o balanço. O desfecho benéfico do prazer, assim como do remédio, encontra-se na dosagem.

Mesmo sem muitas garantias, a criança busca a segurança nas mãos de quem ela “convidou” para brincar. Com os adultos a dinâmica é a mesma, só muda a “brincadeira”. Para muitos de nós, confiar em alguém é extremamente difícil, principalmente se, em nossa história de vida, as pessoas que deveriam nos proteger foram negligentes com a gente. Ficamos ansiosos, olhamos para trás com o corpo enrijecido, e em alguns casos, nem mesmo subimos “no balanço”. Só penso que talvez não tenhamos muita escapatória, somos seres relacionais por natureza, nascemos para confiar em pessoas mesmo que nos frustremos com elas.

Em uma relação de confiança, para o bem ou para o mal, se revela um Eu mais próximo do que realmente somos. Quanto mais nos sentimos seguros em relação a alguém, mas a nossa alma se desnuda.

Algumas vezes, no consultório, o paciente constata (fantasiosamente) que o analista que o “empurra” é totalmente bem resolvido em sua vida, que este sabe lidar positivamente com todas as suas demandas, medos e angústias inerentes a sua existência. O analisante acredita num suposto saber desse analista, que inclusive é terapêutico, pois esse acreditar fortalece o vínculo entre os dois no percurso do seu tratamento.

O que acontece nos bastidores é que nas costas desse analista também existem duas mãos que o impulsionam, que é a sua própria análise. Lá ele segura em sua cadeirinha, confia no profissional que o empurra (através da escuta analítica), e busca trabalhar seus traumas, limites e adoecimentos, inclusive, para melhor atender os seus pacientes. Quanto menos onipotente o analista se vê, mais acessível a sua escuta se apresenta para o seu paciente e suas demandas psíquicas.

Mesmo em tempos de desesperança e ceticismo, ainda existem pessoas em quem podemos confiar. Algumas dessas pessoas se vestem de profissionais, família ou amigos que fizemos no caminho.

Antes de ir embora da praça, pude presenciar a mais bela cena: a menina ainda segurando o apoio, dormia calmamente com o balançar do brinquedo. Ela conseguiu descansar no cuidado de quem a empurrava. Algumas pessoas são o repouso que precisamos e que nos permite acordar para a vida.

Obs: O autor é Psicólogo, palestrante, terapeuta de família casal.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I