Pentecostes é uma das maiores celebrações do calendário cristão.

E o que The Dark Side of the Moon do Pink Floyd tem a ver com Pentecostes? Aparentemente nada. Porém, propomos uma reflexão sobre o Espírito Santo, ou Divina Ruah, para pensarmos no novo Pentecostes acontecendo em nossas vidas. Partindo de três pontos – os anos 60, a rebeldia, e a luz da lua – veremos como alguns aspectos da banda britânica nos remetem a características fundamentais da maneira como a Ruah age na história.

Confira abaixo:

Pentecostes: The Dark Side of the Moon

Pentecostes é a festa em que celebramos o derramamento do Espírito Santo sobre os apóstolos, quando se costuma celebrar também o início da Igreja. Muitos de nós já estamos familiarizados, e às vezes até cansados, de ouvir o trecho de Atos dos Apóstolos sobre esse episódio estranho em que línguas de fogo caem do céu sobre as pessoas reunidas e do nada elas começam a falar em outras línguas e os diversos povos da época começam a entender. Como entender Pentecostes atualmente?

Nossa cabeça hoje em dia funciona de uma forma muito diferente daquela época. Se ouvimos uma história, queremos saber direitinho os fatos, a realidade concreta, a probabilidade de ser comprovado cientificamente. Só que naquela época a intenção em contar uma história era de revelar um sentido mais profundo por detrás. Se a gente tenta ler os textos bíblicos de uma forma muito literal ou academicista, a gente corre o risco de perder a sensibilidade para o significado mais profundo, a mensagem por detrás das palavras escritas.

E o que Pink Floyd tem a ver com isso? Para quem não sabe, o título desta reflexão aqui, “The Dark Side of the Moon”, é um dos álbuns mais famosos dessa banda britânica que surgiu na década de 60. A capa do álbum virou emblemática com o triângulo e a luz branca refratada, famosa até hoje. Três pontos são interessantes para refletir sobre Pentecostes nessa relação – aparentemente não relacionada – entre o Espírito Santo e a banda britânica.

A década de 60

Os anos 60 foram um divisor de águas na história da humanidade. A nível global foi quando começaram a surgir as lutas pelos direitos humanos. Também foram surgindo os movimentos: Feminista, Queer, Negro, Ambiental; ao mesmo tempo que na área do saber começavam a difundir-se as filosofias da Libertação e Decolonização. Contudo, foi uma década muito conturbada também. Em nossa América Latina, foi o período marcado pelas ditaduras militares. Enquanto no Norte Global surgia o grito de paz e amor, no Sul Global tentavam calar as vozes que gritavam por ajuda e liberdade.

A nível eclesial é curioso perceber como foi um período divisor de águas também. Na Igreja Católica foi quando o Concílio Vaticano II foi convocado e realizado, na tentativa de fazer com que a Igreja voltasse a caminhar junto com a História, pois sua comunicação da Boa Nova estava engessada em noções, conceitos e estruturas dos séculos passados que já não diziam nada para o mundo contemporâneo. Foi quando começaram a ser realizadas as Conferências do Conselho Episcopal Latino-Americano, que determinou muito do que seria desenvolvido enquanto teologia e pastoral dali em diante. Mas não só a Igreja Católica começou a se despertar para a necessidade de uma contextualização melhor da teologia e da pastoral, outras denominações cristãs também. Enquanto pelo lado da Igreja Católica começava a surgir a Teologia da Libertação, pelo lado evangélico também surgia a Teologia da Libertação com suas respectivas referências. E surge também a Missão Integral, uma outra forma de fazer teologia crítica e social. As teologias globais começam a ser valorizadas, descentralizando o saber da Europa, assim como estava ocorrendo nas demais áreas, como Antropologia, Filosofia, História, e inclusive no desenvolvimento tecnológico e científico.

Os anos 60 foram um novo despertar da consciência humana. Um despertar tanto para as atrocidades que somos capazes de fazer, quanto para as novidades que somos capazes de criar. É também nessa época que surge o Movimento Carismático, primeiro com evangélicos nos EUA, depois com católicos nos EUA, e aos poucos em diversos países tocados por essa experiência de um novo Pentecostes. Às vezes temos a tendência de ver com muito preconceito o movimento carismático e pentecostal, devido à superficialidade com que nos deparamos muitas vezes, hoje em dia, nessas comunidades. Porém é importante lembrar essa origem histórica do movimento carismático e pentecostal, que foi imbuída de uma verdadeira busca por maior sintonia com a vontade de Deus, através da Palavra, discernindo a presença do Espírito em nós, para agirmos como Cristo, uns com os outros, e renovar a Igreja e o mundo.

Se olhamos para esse panorama da década de 60, com tantos avanços e renovações de diversas áreas e estruturas da humanidade, em todos os cantos do mundo, podemos sentir ecoar “O Espírito sopra onde quer” (cf. Jo 3,8). Se Cristo é nosso libertador, Aquele que nos tira da escravidão do pecado para a comunhão do Reino de Amor e Justiça, o Seu Espírito é também libertador para a comunhão de Amor e Justiça. E não há como restringir-se à Igreja. Esse ímpeto libertador da Divina Ruah se espalha e contagia todo coração humano que se dispõe a enxergar as estruturas de injustiça em que vivemos e as possibilidades de construção de uma sociedade melhor, mais justa, mais sustentável, mais equitativa.

Para os fãs de Pink Floyd a banda representava e representa muito desse ímpeto de libertação. Várias letras de suas músicas denunciavam aquilo que já não era aceitável na sociedade: o capitalismo doentio, o individualismo que nos isola uns dos outros e as pressões políticas e econômicas sobre indivíduos. Para nós que cremos na Divina Ruah, Libertadora, podemos dizer que Pink Floyd faz parte do sopro libertador Dela. O novo Pentecostes, hoje, já se manifestava nos anos 60: o sopro e fogo da libertação.

A rebeldia

A Divina Ruah, ou Espírito Santo, é a pessoa da Santíssima Trindade que mais nos escapa à compreensão. Sua plena liberdade no amor a torna imprevisível, surpreendente, e por isso teimosa e rebelde. Ao longo dos séculos, a Ruah é representada de diversos modos, enquanto Deus Pai e Deus Filho costumam ser representados como o homem ancião de barba branca e o homem de barba e feridas nas mãos, respectivamente, com poucas variações. Mesmo com nossa mania de querer colocar Deus em caixinhas, e categorizar e caracterizar muito bem cada uma das três Pessoas Divinas, a Ruah é a que mais nos vence em nossos racionalismos, demonstrando o quanto não basta a razão para entender Deus.

Pink Floyd também representa essa rebeldia. A rebeldia diante de um mundo e uma sociedade que não correspondem com aquilo que desejamos. A rebeldia de manter-se firme na denúncia das injustiças e na liberdade de gozar a vida, mesmo com tanta oposição. Denunciar as injustiças sem perder aquilo que nos dá vida e alegria é como uma atitude profética. Muitas bandas costumam ser conhecidas pelas gafes morais e pobres exemplos de estilo de vida – não entraremos nessa discussão. Mas é importante questionar se essas críticas feitas à vida de artistas não é mais fofoca e julgamento do que algo construtivo. De certa forma, quem goza a vida representa muito mais o Reino de Deus do que quem vive com desgosto.

Gozar a vida faz parte do dom libertador da Divina Ruah. É preciso, sim, rebelar-se diante de tudo que nos tira o gosto de viver e de aproveitar a vida. A rebeldia é condição necessária para nos tirar da inércia e agirmos como construtores do Reino de Amor e Justiça onde todos gozaremos sem fim. A mensagem de Amor-Justiça, que nós cremos ser inspirada pela Divina Ruah, transparece de diversos modos no mundo, inclusive onde a Igreja menos espera ou busca encontrar.

A luz da lua

Vários Padres da Igreja usaram do simbolismo da lua para descrever a identidade da Igreja. A Igreja não tem outra luz senão a de Cristo; ela é comparável à lua, cuja luz vem toda do sol (cf. Catecismo da Igreja Católica 748). A lua não contém luz por si mesma, mas é capaz de refletir a luz do sol, com variações dependendo de sua posição (lua crescente, minguante, cheia). Da mesma forma, a Igreja não contém a salvação e a graça por si mesma, mas é capaz de refletir a Cristo, com variações dependendo do quanto mantém seu foco no próprio Cristo.  A Divina Ruah, o lado escuro da lua que não vemos, mas que sabemos que existe, é o mistério que nos faz novas criaturas, coerdeiros com Cristo e cocriadores com o Pai. De fato, muito continua como mistério pois somente entenderemos quando chegarmos na plenitude do Reino, porém não é um mistério fechado ou mágico, mas aberto e efetivo, que continuamente se revela e desvela em nossa vida concreta, mesmo que ainda não compreendamos em sua integralidade. A dinâmica da Ruah na Igreja nos insere no mistério do Amor que livremente nos chama e entrega sua vida por nós, o Amor que nos ilumina e assim nós podemos resplandecer sua luz ao mundo.

Mas além de pensar no simbolismo da lua, olhando para a capa do álbum “The Dark Side of the Moon” [O lado escuro da lua], podemos ainda fazer uma última reflexão. A luz branca, que na tradição cristã é usada para simbolizar o puro e o divino, ao ser refratada, se desdobra nas cores do arco-íris, como vemos na imagem. Quando tentamos encaixar nossas compreensões sobre Deus, em discursos e conceitos essencialistas e hegemônicos, falhamos em reconhecer a diversidade presente na Trindade. Nossa linguagem sempre será limitada para expressar a divindade. O que o arco-íris nos provoca é o reconhecimento do dom da pluralidade que a Divina Ruah sustenta na terra, a pluralidade de toda a criação e a diversidade das pessoas humanas. Se tentarmos encaixar as pessoas dentro de padrões pré-determinados daquilo que achamos que deve ser um “modelo ideal” de ser humano, falhamos em reconhecer a “luz branca” presente em cada um de nós como sua refração.

A Igreja deve manter sua pertinência no momento histórico em que vive e deve buscar manter-se fiel àquilo que não depende de aspectos cultuais e temporais: a pessoa de Jesus Cristo e a manifestação diversa do Espírito Santo já nas primeiras comunidades cristãs. Jesus é o nosso princípio e fundamento, portanto, se Cristo é relação de Amor e Justiça, nós Igreja também devemos ser uma relação do Amor que transborda, que atinge e inclui a todos. A Divina Ruah é a força que sustenta toda a vida e que gera nova vida; aquela que possibilita escancarar as portas amedrontadas dos corações dos discípulos e fazê-los comunicar a Boa Nova para todos os povos. A promessa e a garantia de um Reino de Amor-Justiça, proclamada por Jesus Cristo, é para todas, todos, todes, e cabe a nós nos deixarmos ser levados pela Ruah onde quer que ela queira.

Obs: Suzana Moreira é mestra em Teologia Sistemático-Pastoral e bacharel em Teologia pela PUC-Rio. É Animadora Laudato Si’ pelo Movimento Católico Global pelo Clima e integrante da TeoMulher, rede de teólogas e cientistas da religião feministas. Ela trabalha como tradutora e intérprete de português, inglês e espanhol, e pesquisa sobre teologia latino-americana, teologia do corpo, ecoteologia e teologia feminista. Atua no Instagram, Facebook, YouTube e Twitter como Suzi Teóloga ajudando a divulgar conteúdo teológico de maneira acessível e atrativa.

YouTube: https://youtube.com/SuziTeóloga

Instagram: https://www.instagram.com/suzitheologian

Facebook: https://www.facebook.com/suzitheologian

Twitter: https://twitter.com/SuziTheologian

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I