Frei Adolfo Temme 1 de junho de 2021

Queridas amigas – Prezados amigos

Esta era para ser minha mensagem da Pàscoa para meus amigos na Alemanha.

Minha saudação cordial neste tempo difícil em que uma só preocupação nos une a todos. Se me perguntam: Como vai? – eu custo para responder. Melhor é perguntar:  O que você faz no dia a dia neste tempo de exceção? Ora, bem cedo celebro a missa do dia em nossa capela com frei Cícero e alguns amigos (amigas) de perto. Na hora do café tem atualização política, pois está presente Dr. Rubens, muito versado nas novidades da cidade e do Estado. Quando não entendo a confusão, eu só pergunto uma vez; pois a segunda explicação não melhora. Eu só entendo que no momento Prefeito e Governador combatem a crise com estratégias contrárias.

Depois do café vou regar as plantas. A natureza não sabe da crise. A colheita de mamão e acerola, de manga e ata tem sido boa. Algumas famílias têm plantado feijão e arroz e melancia em terrenos baldios com bom resultado. Dona Nazaré falou: Deus não abandona seus filhos.

Algumas vezes chegam pessoas sofridas para derramar o sofrimento. Uma vez na semana vem o Aluandejara, de nove anos, que está aprendendo os acordes do violão. Umas semanas atrás vieram três Irmãs Postulantes para uma semana de retiro. Uma esperança: pois a casa retoma a sua função. Na quinta feira de manhã vem o advogado Fred que está no Caminho Inaciano e agora quer conhecer os Padres do Deserto.  Um sábado destes vieram 14 pessoas da PASTORAL DE RUA, a metade deles sem endereço. Rezaram na capela como os mais felizes Filhos de Deus. Como desanimar com tanta confiança que nos é doada?

Uma vez no mês vou para o Seminário e escuto os teólogos como Diretor Espiritual.    No ano passado tiveram que voltar para a casa dos pais para aprender o jeito das aulas à distância. Quem se deu bem foi Francisco, do interior de Picos que estava elaborando seu trabalho de graduação. Veio com tudo e escreveu sem distração. Todos chegaram mais maduros. A casa está mais cheia do que antes. Mas como vai ser o futuro com a nova onda da pandemia? Todo mundo calado para não provocar o futuro incerto.

Todo domingo celebro nas Comunidades em redor. Nós andamos todo tempo com o vento contrário das dúvidas. Pode ou não pode? Frei Cícero, mais cauteloso, me salva de maiores imprudências.  O que não tem dúvidas é a minha Paróquia Virtual, que recebe todo dia uma mensagem e um canto via celular. Isto já faz mais de um ano. Todo dia tenho que caçar uma história nova: onde vou achar? Hoje encontrei O CRISTO DO OCEANO, devolvido do mar, achado numa praia de pescadores lá na França. O corpo não tem cruz. O povo o leva até a igreja e faz as traves da cruz. Porém o Cristo não aceita e é achado deitado no altar sem as traves. Tentaram outro tipo de madeira e nada. Chegaram a fazer uma cruz de ouro, igualmente perdida. O Cristo sempre descia da cruz.Finalmente o mar vomitou restos de um naufrágio, tábuas com as letras J e L. Todo mundo sabia que era do barco de Joâo Leonel, engolido pelo mar, assinatura do morto.  Foi com estas traves que fizeram o madeiro da cruz, e desta vez o Cristo aceitou. Jesus é fiel àquele que passou na tempestade. João Leonel morreu, mas agora ele faz parte da obra da Redenção.

Vocês poderão perguntar: Você está fugindo da cruz? Evitando o tema que se impõe?

Porque não fala da mortandade? É porque vocês sabem de tudo. Porque não fala do governo infeliz? Ninguém aguenta mais.  O perigo é muito grande. O mandatário não se preocupa com os milhares de mortos cada dia. Isto é vantagem para ele.

LULA LIVRE é uma sensação que, no entanto, se escreve em minúsculo. Terá ele a força de quebrar a prisão das mentiras que continua na cabeça de muitos?

Ontem tive que celebrar o velório de um empresário e logo depois o Sétimo Dia da finada Maria de Nazaré, na Comunidade de São Sebastião. Ela nunca faltava na missa. Depois da Benção Final uma filha foi ao microfone e abriu a fonte das lágrimas: todo mundo entrou num choro contido. Esta é a única coisa que a gente se permite, senão a MALVADA (a epidemia infeliz) fica mais zangada. O que será dos nossos sentimentos contidos? Isto sabemos tão pouco como tudo o que virá no amanhã.

Na política temos uma sensação que no entanto é escrita em minúsculo: LULA LIVRE. A falta de entusiasmo é prova de que: o anestesiado não tem força para perder. Mas não tem dúvida: Aí ressuscita a ESPERANÇA. O sol quando nasce também não dá gritos. A humilhação da Nação não será para sempre.

Estamos entre a Páscoa e Pentecostes. Ressurreição se espalha aos poucos. Não tenha medo de se alegrar.

Com um grande abraço da PEQUENA IRMÃ ESPERANÇA

Frei Adolfo Temme

Obs: O autor é Frade Franciscano, nasceu na Alemanha em 1940.
Chegou ao Brasil como missionário em 1964. Depois de completar os estudos em Petrópolis atuou no Piaui e no Maranhão. Exerceu trabalhos pastorais nos anos 80 em meio a conflitos de terra. Desde 1995 vive em Teresina no RETIRO SÃO FRANCISCO onde orienta pessoas na busca da vida espiritual.   

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I