[email protected]
rastrosliterarios.blogspot.com

E, de repente, lá estava Getulino, setentão, sustentado pela bengala, na fila. Para onde quer que olhasse, por mais que limpasse os óculos, o alcance da visão era diminuto devido à catarata e à forte neblina. “Neblina? Fila? Onde é que estou? Que fila é esta? De banco? Farmácia? Supermercado? Será que a ‘véia’ (era assim que chamava a esposa) me pediu para comprar alguma coisa?” Não conseguia se lembrar. A esposa vivia pegando no pé dele para que não se esquecesse de tomar o remédio para estimular a memória. Vivia. Havia algum tempo que ela também carecia do mesmo medicamento.
A fila era morosa, mas o que o agastava era a curiosidade: para onde aquela fila o levaria? Resolveu cutucar o homem à frente.
– Perdoa-me, cavalheiro. O senhor pode me dizer qual a finalidade desta fila?
O homem virou-se e, para sua surpresa, eram conhecidos.
– Bigode!!!
O efusivo abraço não obteve reciprocidade. Bigode suspendeu o indicador na frente do nariz e sussurrou um “xiu”. Getulino ensaiou zangas, mas as substituiu por um momento lúcido da memória.
– Peraí. Ontem o Eliziário me disse que você foi assaltado; que tinha levado um tiro no peito; que era grave; que…
Bigode desabotoou a camisa e mostrou o ferimento.
– Meu Deus! Como você consegue estar em pé com um buraco desse? Só por milagre.
A tentativa de diálogo foi interrompida pela voz grave que fez o local tremer.
– SI-LÊN-CIO!
Em seguida, o nome de batismo de Bigode foi pronunciado e ele desapareceu atrás de uma cortina branca. Minutos depois, foi a vez de Getulino entrar na sala onde o anjo folheava um livro.
– Sente-se, por favor. Procurei diversas vezes o seu nome e não o encontrei. De acordo com o convênio brasiliano, o senhor só pode ser chamado quando se aposentar. Desculpe pelo equívoco.
Getulino esbravejou e gesticulou desafiando o reumatismo pelo tempo perdido na fila.
– Acorda, Gê! Acorda! Tá tendo outro pesadelo?
Ele acordou ofegante, suarento, com os olhos arregalados.
– Graças a Deus, véia, foi só um pesadelo.
Com a dificuldade rotineira, agarrou-se à bengala, retirou a dentadura do copo com água para atenuar a murchidão da boca e foi ao chuveiro.
– Gê, ainda é madrugada. Volta pra cama.
– Não posso. Vou procurar o advogado. Preciso cancelar a entrada da papelada da minha aposentadoria. Caso de vida ou morte.
Às três da madrugada ele bateu à porta do advogado que lhe deu um abraço e disse:
– Parabéns! Sua aposentadoria saiu!
Getulino, não suportando a notícia, ruiu: infarto fulminante.

*Hoje tem “Proseando”, no jornal Tribuna do Norte. Agradeço aos amigos: Jucy Batista, presidente da Fundação Dr João Romeiro, jornalista Altair Fernandes Carvalho Carvalho e Paulo Flauzino da Silva, pelo espaço.

Obs: O autor é membro da Academia Pindamonhagabense de Letras é autor de: Lágrimas de Amor – poesia; O sapinho jogador de futebol – infantil; O estuprador de velhinhas & outros casos – contos; Histórias de uma índia puri – infanto-juvenil; O casamento do Conde Fá com a Princesa do Norte, e Um caso de amor na Parada Vovó Laurinda – cordéis.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I