www.mariainezdoespiritosanto.com

O amor encontrou minha casa arrombada e destruída.

Passara por aqui a paixão. Chegara repentinamente, iluminando com tanta intensidade o espaço, que foi cegando os olhos de tudo.
Preencheu cada cantinho irreverentemente, expulsando hesitações, temores, cuidados e ensaios.
Nada me parecia faltar, desde então. E o próprio desejo já era satisfação, sem sequer ter sido expresso.
A beleza que a paixão produzia era tão impregnante, que eu podia admirá-la, profundamente dentro e infinitamente fora, a um só tempo.
Durou, até. Mas, num súbito, extinguiu-se e, atrás de seu rastro, restou bem pouco.

Depois, reuni forças para acender o fogo.
Comecei a catar os cacos da louça quebrada, as páginas dos escritos rasgados, evitando olhar meu rosto cansado, no espelho espatifado.
Foi, então, que o amor entrou. Não por convite. Foi o abandono que o chamou.
Quase em silêncio, pisando de mansinho, começou a tecer seu manto: um quase imperceptível afago, um olhar mais demorado, uma flor exposta num vidro vazio, uma semente a germinar.
E foi-se deixando ficar, mesmo quando parecia não estar mais aqui.
Integrou-se no leito que acolhe, nas dobras da roupa que aquece, na cadeira que apoia e na água que escorre, lava o corpo e mata a sede.

Hoje, vive no silêncio e no canto de pássaros, mesmo quando estes não vêm.
Colore o final da tarde e faz girar as pás dos moinhos distantes, que o espalham, displicentemente, mundo afora…
Diariamente o amor abre e fecha a porta, azeitando as dobradiças para que não ranjam e eu não me assuste.
Acolhe minhas inquietações, com placidez, porque sabe que vão passar.

Quando veio, o amor aceitou que eu não tivesse nada. Trouxe as mãos vazias e me alimentou de sonhos macios.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I