Estou de saco cheio de poetas que não sabem poetar. Alinham duas ou três frases e se intitulam de poetas, recebendo os salamaleques devidos como se fossem verdadeiros deuses. Em lugar de produzir a poesia verdadeira, na forma e no conteúdo, em verdade, agridem o idioma e rebaixam o conceito de poesia. O vulgo, que nada entende de poesia, cobre o pretensioso poeta de louros, de elogios variados, e o desgraçado se enche de brios, ergue a cabeça, e, para se manter em crime permanente, anuncia uma nova edição de seu último livro. Durma com um barulho desse!

Menção especial para o cronista que batiza um relatório com o nome de crônica, se forrando de encômios dos seus pares, parabéns pela beleza do texto, digno de qualquer antologia nacional, elogios que incham seu ego, e, ele acreditando, acreditando, só falta se referir a Machado, a Humberto de Campos, Raquel de Queiroz e Rubens Braga, como meus caros colegas, pessoas de sua profunda intimidade, que, como ele, também escreveram crônicas. Tão só são textos áridos, limão sem sumo, grunhidos que não se elevam a condição de música, a leitura, por mais concatenada que seja, só lembra o homem que sobe a ladeira, as pernas atravessadas uma na outra, dando a entender ser portador de um defeito físico de nascença, defeito que, aliás, não existe, estando apenas a caminhar assim para segurar as fezes que lhe descem pelas pernas.

Das mediocridades a província está cheia, todas elas com o paletó encharcado de medalhas e de prêmios, a arrotar importância, mudando até o caminhado, como se tivessem pisando nos jardins do Olimpo, em direção ao trono máximo, onde acham que reservaram lugar especial.

Pois bem. Eu dando chutes nessa caterva de lombrigas e o meu anjo de guarda observando, lendo o que os meus dedos digitavam, estranhando que, de repente, abandonasse a linguagem lírica para substituí-la pelo azedume de sentenças ásperas. Coitado de mim, a espera de uma palavra de apoio, meta o pau, pise nesses vermes, rasteira nessa corja, até que o anjo de guarda resolveu falar. E você, com suas crônicas, como se situa, se acha superior aos anões apontados? Os seus textos, como classificá-los? Ajeito a cabeça, voz severa: e quem lhe chamou? Quem lhe pediu opinião?Anjo de guarda não é fiscal literário. Volte para seu lugar – Diário de Pernambuco, 25 e 26 de julho de 2020.

Obs: Publicado no Diario de Pernambuco
[email protected]
Membro das Academias Sergipana e Itabaianense de Letras   

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I