[email protected]
http://marcelobarros.com

Nesta semana, em muitos lugares do hemisfério sul, cristãos das mais diferentes Igrejas se unem na Semana de Orações pela Unidade dos Cristãos. Há mais de cem anos, esta iniciativa surgiu, tanto no ambiente católico, como em meios evangélicos. Ninguém deseja a uniformidade. A meta é a unidade na diversidade e a serviço da humanidade. Nesse ano, o tema da Semana da Unidade se inspira em uma palavra, que conforme o evangelho, depois da ceia, Jesus teria dito aos discípulos e discípulas:  “Permanecei no meu amor e produzireis muitos frutos” (Jo 15, 5- 9). É o amor do próprio Jesus em nós que se tornará elemento fundamental na missão de manifestar a realização do projeto divino para o mundo.

Nos anos mais recentes, em todos os continentes, a concentração da riqueza aumentou enormemente. As desigualdades sociais triplicaram. Mesmo durante a pandemia, enquanto mais de um bilhão de seres humanos afunda na insegurança alimentar e na pobreza extrema, o lucro da elite dos mais ricos aumenta escandalosamente.

Para manter esta realidade, governos e empresas aumentam gastos militares. O Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS) publicou que, em 2020, apesar da pandemia e da consequente contração da economia, o gasto dos países com armamentos alcançou US$ 1,8 trilhão, ou seja, 3,9% a mais que em 2019. Na América do Sul, o Brasil responde por mais da metade das despesas militares de todos os países juntos. Para 2021, o projeto do governo é gastar 10, 7 bilhões de reais em armas, manutenção e salários dos militares. Isso apesar de que o nosso país  não vive nenhuma guerra declarada, a não ser os massacres que, dia a dia, policiais e militares efetuam contra a população mais pobre.

Em abril de 2020, António Guterrez, secretário-geral da ONU pediu a todos os países que cessassem quaisquer atos de guerra. Toda a humanidade deveria se dedicar à guerra contra a pandemia. Apesar deste pedido, as guerras nacionais e internacionais continuaram. Para não morrerem, milhões de pessoas são obrigadas a fugir de seus territórios.

É triste constatar que os países que mais desenvolvem a cultura armamentista e agressiva em relação aos outros são aqueles nos quais a cultura dominante é ligada a alguma religião. É mais triste ainda saber que, durante a história, o Cristianismo foi a religião que mais pregou e defendeu guerras. Apesar dos ensinamentos sociais das Igrejas que vêm do final do século XIX, o Cristianismo ainda legitima estruturas de exclusão, de racismo e de desumanidade. Milhões de brasileiros/as sofrem de desemprego e insegurança alimentar. Esta crise foi provocada não só pela pandemia. Vem de antes e tem como causa a reforma trabalhista que retirou direitos dos/as trabalhadores/as. Um dos setores que mais apoiaram essa iniquidade foi a chamada Bancada da Bíblia, formada por pastores que se dizem cristãos. Não poucos padres, bispos e grupos católicos apoiam o governo em sua opção de descuido da saúde e abandono do povo. No Rio de Janeiro o governador responsável pelo recente massacre do Jacarezinho se considera católico fervoroso e carismático.

Diante disso, partidos e grupos políticos a favor da humanidade procuram se unir e fazer uma frente ampla para vencer o ódio e a desumanidade. Também os grupos cristãos e todas as pessoas que buscam a Deus Amor precisam se organizar em um só ecumenismo contra a barbárie. Hans Kung, o grande teólogo suíço que, partiu no mês passado, afirmou: “O mundo não terá paz se as religiões não aprenderem a dialogar entre elas e as religiões não dialogarão se as Igrejas cristãs não se unirem”.

A verdadeira unidade terá de ser construída a partir de baixo e das periferias do mundo e das Igrejas. Precisamos construí-la no na nossa vida cotidiana e no nosso trabalho. No entanto sabemos que ela é dom divino e precisamos pedi-la e nos dispor para recebê-la do Pai. Na véspera de sua paixão, Jesus orou ao Pai pela unidade de todos/as os que um dia viessem a crer nele: “para que sejam Um, assim como Eu e Tu somos um. Que eles (elas) sejam unidos, para que o mundo possa crer que Tu me enviaste” (João 17, 19- 21).

Obs: O autor é monge beneditino e teólogo católico é especializado em Bíblia e assessor nacional do Centro Ecumênico de Estudos Bíblicos, das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares.
É coordenador latino-americano da ASETT (Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo) e autor de 57 livros publicados no Brasil e em outros países. O mais recente é Teologias da Libertação para os nossos dias (Vozes).

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I