http://www.plataformadeesquerda.com.br
https://www.facebook.com/paulorubemsantiago/

O governo golpista de Temer anuncia a privatização da Eletrobras. A empresa teve receita líquida de R$ 60,74 bilhões em 2016, 86% maior que em 2015, quando atingiu R$ 32,58 bilhões. Trata-se, atenção, do mesmo governo que pretende aumentar a meta do déficit fiscal de 2017 dos atuais R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões. As contas públicas, óbvio, não estão em bons lençóis.

As causas disso são conhecidas: A manutenção de juros reais ainda elevados, a queda da atividade econômica por dois anos seguidos, a redução da renda dos assalariados, o aumento do endividamento das famílias reduzindo o consumo e a arrecadação de impostos, o que também é provocado por elevadíssimas desonerações tributárias concedidas nos últimos anos, ao lado da expressiva sonegação fiscal, que já ultrapassou R$ 1,5 trilhão acumulados. Tudo isso tem forçado o governo a uma intensa ginástica em busca de receitas para baixar o déficit e manter a relação dívida pública/PIB em patamares estáveis, preocupação central dos governantes há anos e anos no país.

Para enfrentar essa situação a privatização da Eletrobras se encaixa perfeitamente, mas não se trata de um passo para mudar o setor elétrico, profissionalizá-lo de fato, em busca da produção de mais energia e tarifas mais baratas às empresas e aos consumidores residenciais. Temer quer apenas fazer caixa e jogar o dinheiro obtido com a privatização na conta do tesouro para reduzir o déficit fiscal cuja causa maior deriva das elevadas despesas com juros e amortizações da dívida pública.

Não há nenhum projeto de médio e longo prazo para o setor elétrico brasileiro por trás da anunciada privatização da Eletrobras e isso é grave. O segmento começa com pesados investimentos para a geração de energia (em nosso caso, com predomínio da hidroeletricidade) passa pelas linhas de transmissão, o fornecimento aos distribuidores e desses aos consumidores. Uma sequência em que todos visam o lucro das operações, causando efeito cascata no preço final de nossas contas.

Há um detalhe, porém. A privatização da geração implica na privatização dos recursos hídricos e em evidentes limitações de seus outros usos para a sociedade. Ao mesmo tempo haverá pressão por aumento de tarifas e progressiva remessa de lucros aos acionistas internacionais, com evidentes impactos na inflação, no câmbio e no balanço de transações correntes da nação.

Para vender a empresa o quanto antes, em nome da milagrosa ”atração de investimentos”, Temer culpa os erros da gestão de Dilma Rousseff no setor elétrico que, aliás, esteve com o PMDB desde o governo Lula. Lembremo-nos que, sem prejuízo da análise dos erros daquele período, quem impediu que empresas públicas se endividassem para realizar investimentos foi FHC, o que tratei em artigo de abril de 2010. Foi dos anos de FHC, também, o decreto liberando a Eletrobras das regras da lei de licitações, o que se defende agora para reforçar e justificar a privatização da referida empresa.

Por essa e outras razões tal proposta é irresponsável. Atualmente os lucros das subsidiárias da Eletrobras, como a Chesf, são revertidos para controladora e dessa para o tesouro nacional. Em 2016 a empresa lucrou R$ 3,4 bilhões. Ainda que hoje sejam destinados à dívida pública, amanhã isso nos faltará, pois tais bilhões serão apropriados por seus novos donos, nacionais ou estrangeiros, sabendo-se que os investimentos do tesouro feitos na Eletobras já foram amortizados pelas tarifas pagas pelos contribuintes, o que só reforça a irresponsabilidade e a visão contábil de curto prazo contida nessa proposta de privatização. É nosso dever impedir que isso aconteça.(28.07.17)

Obs: O autor é professor (Centro de Ciências da Saúde-UFPE), Mestre em Educação pela UFPE e Doutorando em Educação.
Foi Deputado Federal da Comissão de Seguridade Social e Família, autor da Emenda que destinou 50% do fundo dos royalties do pré-sal para a educação e saúde em 2013.

Criador e 1º. Coordenador da Frente Parlamentar de Combate à Corrupção (2004)
Na Câmara Federal foi autor da PEC 162, propondo o Plano Nacional de Desenvolvimento Urbano.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I