(professora do Departamento de Teologia da PUC-Rio,
decana do Centro de Teologia e Ciências Humanas da PUC-Rio *)
agape.usuarios.rdc.puc-rio.br

A humanidade está ficando mais velha, dizem as estatísticas.  E isso parece que é bom, porque só atinge a velhice quem vive mais tempo.   Pelo menos parece ser o que todos buscamos: viver muito, desfrutar até onde for possível das alegrias que significam viver, existir. E  adiar a morte, conhecida por muitas culturas, notadamente a ocidental.  A poesia a identificou como “a indesejada das gentes”.  E mesmo os escritores bíblicos a chamaram por nomes negativos, como o apóstolo Paulo: “a última inimiga a ser vencida”; e o autor do último livro da Bíblia, o Apocalipse, que a inclui entre os quatro cavaleiros que anunciam a catástrofe final, ao lado da fome, da guerra e da peste.

Por isso, a longevidade é uma bênção e viver muitos anos um prêmio a que todos aspiram. Assim, o livro do Êxodo exorta o israelita a honrar o pai e a mãe “para que se prolonguem os seus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá”. O livro dos Provérbios promete que quem aceita as palavras divinas verá seus anos de vida multiplicados, afirmando igualmente que o galardão da humildade e o temor do Senhor são riquezas, honra e vida longa. No livro dos Salmos, é prometido a quem guarda a língua e os lábios do mal e da mentira, praticando o bem, largos dias para ver esse bem florescer e frutificar.  E ao justo que invoca o Senhor, este estará com ele na angústia, dando-lhe abundância de dias e mostrando-lhe a salvação.

O Novo Testamento seguirá essa rica tradição judaica.  Toda a pregação e ação de Jesus de Nazaré é curativa, procurando dar às pessoas mais tempo de vida, e vida plena.  Assim é que vemos nos Evangelhos curas de várias doenças, físicas e mentais.  Há narrativas do poder de Jesus ressuscitando mortos como o filho da viúva de Naim e de seu amigo Lázaro. Nos escritos paulinos, é resgatada a orientação da Bíblia Hebraica sobre a honra que é devida aos pais.  A quem isso pratica, como diz a Carta aos Efésios, será dada uma vida longa sobre a terra.

Não se encontrará no texto bíblico nenhuma afirmação de depreciação à vida.  Pelo contrário, há sempre uma valorização da mesma, encarando o fato de ela ser longa como uma bênção de Deus, que não quer a morte de ninguém, nem do pecador, mas que ele viva. A tradição cristã seguiu fiel a essa revelação divina destacando-se pelo serviço aos pobres, dando-lhes alimento e abrigo, a fim de sustentar-lhes e prolongar-lhes a vida.

A Igreja foi pioneira na edificação de hospitais que pudessem cuidar dos doentes e devolver-lhes a saúde quando a morte os ameaçasse.  E os pensadores de todas as configurações, assim como os profetas judeus e cristãos, sempre denunciaram qualquer mecanismo que pretendiam agredir a vida dos pobres e dos vulneráveis, trazendo-lhes a morte prematura e indesejada, impedindo-os de chegar à plenitude dos seus dias, vendo os filhos nascerem e crescerem e os filhos de seus filhos encherem a casa de alegria e fecundidade.

Na verdade, o anjo da morte é o mesmo que detém a paternidade da mentira e do mal.  A morte é vista pelo escritor bíblico como fruto do pecado, devendo, portanto, ser temida e exorcizada como um mal.  E a morte dos anciãos é sempre chorada e sentida, ainda que haja o consolo de terem chegado ao fim de seus dias.  Do mesmo modo, a morte do jovem, por necessidade, por violência, por injustiça é repudiada e rejeitada por todo aquele ou aquela que deposita sua confiança no Deus da vida.

Durante a pandemia que vivemos, temos tido a oportunidade de ver os idosos sendo mais ameaçados pelos efeitos devastadores do vírus que a todos amedronta. Vimos também cenas edificantes de profissionais da saúde dando o melhor de seu saber e energias para salvar essas vidas mais fragilizadas pela idade e devolvê-las ao convívio de seus familiares e parentes.  Grupo prioritário para a vacinação, foi bonito ver os idosos aliviados e alegres por poder enfim ter acesso às doses daquela que se tornou a única esperança contra esta grande ameaça que não poupou nenhuma parcela da humanidade.

Por isso, sentimo-nos tão chocados ao ouvir declarações de homens públicos reclamando da longevidade das pessoas que supostamente quebraria o sistema e o Estado.  A queixa de que “as pessoas querem viver 100 anos”, anatematizando o desejo vital mais característico do ser humano agrediu nossos ouvidos e nossos olhos.  Incrédulos, nos custa crer no que ouvimos. A graça de poder viver mais tempo então é vista como uma ameaça aos cofres públicos? O que incapacitou o atendimento do setor público não foi a pandemia, mas sim o avanço na medicina e o direito à vida?  O Estado não aguenta que as pessoas hoje vivam mais e desejem viver mais?

Difícil de acreditar.  Em todo caso, como resposta a isso, a carta encíclica Fratelli Tutti, do Papa Francisco, de recente publicação, responde a isto quando diz no nº 18 do texto que as pessoas já não são vistas como um valor…especialmente…se “já não servem” (como os idosos). E no nº 19: “o abandono dos idosos numa dolorosa solidão exprime implicitamente que tudo acaba conosco, que só contam os nossos interesses individuais.” E recordando as vítimas da pandemia acrescenta no nº 35: “Oxalá não nos esqueçamos dos idosos que morreram por falta de respiradores, em parte como resultado de sistemas de saúde que foram sendo desmantelados ano após ano.”

O Papa considera que os idosos estão entre os “exilados ocultos” de nossas sociedades da abundância que se tornam desumanas com a obsessão de gerar riquezas e consideram como peso as pessoas que entendem que já não podem contribuir.  Viver 100 anos e até mais é justo e desejável, sim.  Vidas humanas não são descartáveis.  A garantia de uma vida humana é o próprio Deus da vida que nelas soprou seu Espírito e deseja vê-las cheias de dias, contribuindo com sua experiência e sabedoria para a construção da memória sem a qual a humanidade se perde e deteriora. Como diz o salmo 92: “Mesmo na velhice darão fruto, permanecerão viçosos e verdejantes”.

Nossa utopia deveria ser não desejar que encurtem os dias das pessoas para que as contas fechem na Previdência e no serviço público.  Mas poder dizer como o salmista: “Já fui jovem e agora sou velho, mas nunca vi o justo desamparado nem seus filhos mendigando o pão.”

Obs: Maria Clara Bingemer é  autora de Santidade: chamado à humanidade, São Paulo, Editora Paulinas, entre outros livros.

Copyright 2021 – MARIA CLARA LUCCHETTI BINGEMER – Não é permitida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. Contato: [email protected]>

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I