[email protected]
dirceubeninca.wordpress.com

Para alguns, as perguntas acima podem parecer óbvias demais. Para outros talvez sejam inconvenientes. Outros ainda podem achá-las extremamente complexas e perturbadoras. Para os incrédulos, quiçá sejam irrelevantes. Mas, afinal, por que Jesus morreu? Que Ele, o nazareno, nascido em Belém, tenha morrido é fato histórico. Igualmente, é fato histórico que tenha sido crucificado e não morrido de morte natural. Sua morte foi produzida da forma mais brutal, utilizada pelos romanos para banir bandidos, indivíduos perigosos, desordeiros, malfeitores.

Custa-nos entender que nos derradeiros momentos da vida de Jesus, a multidão dos seus seguidores sumiu. O desaparecimento deu-se pelo medo, decepção, descrença ou mudança de posição. Muitos que o seguiam, manipulados e atiçados pelos chefes dos sacerdotes e anciãos, de repente, passaram a gritar ‘crucifica-o e soltem o bandido Barrabás’ (Mt 27, 21-22). Isso também é fato histórico, tanto quanto o foi a permanência fiel até o final de algumas mulheres e bem poucos homens.

Mas, a dupla pergunta posta no título desse texto nos leva a pensar para além dos fatos históricos, materializados no tempo e no espaço. Coloca-nos a necessidade de interpretá-los. Enquanto o fato histórico é dado, podendo ter mais ou menos detalhes de acordo com as fontes, as interpretações do fato podem ser múltiplas, dissonantes e até opostas. Ocorre que as interpretações dos fatos, e desse em particular, incluem elementos culturais, espirituais, antropológicos, psicológicos, etc.

Sobre a leitura acerca da morte de Jesus há de se ter alguns cuidados. Um deles é o de não espiritualizar o fato, desconsiderando a sua historicidade ou, por outro lado, não restringi-lo a um mero fato histórico. É igualmente importante evitar leituras fatalistas dos fatos históricos. A afirmação de que ‘a morte de Jesus foi vontade de Deus’ poderá representar uma interpretação determinista na qual Deus configuraria uma vontade torpe a ponto de desejar a morte cruel de seu Filho.

Daí que a forma de interpretar os fatos pode mudar totalmente o sentido da história. Parece mais adequado afirmar, portanto, que Jesus foi assassinado (na cruz) em razão de fazer a vontade de Deus que era anunciar o seu Reino baseado no amor fraterno, na justiça para todos e na solidariedade universal. Em decorrência de levar essa causa até as últimas consequências, acabou por ser crucificado.

Na interpretação dos fatos, é fundamental entender que Jesus foi condenado e morto por um processo com três motivos: um político, outro religioso e mais um econômico. O político por que foi assumindo a liderança de uma grande multidão que o quis transformá-lo em rei, o que confrontou com os poderes constituídos. O religioso, porque se disse Filho de Deus, retirando essa prerrogativa da qual o imperador se achava investido. O econômico porque pregou o tempo todo o amor aos pobres, a fraternidade, a justiça social, a distribuição do pão e das riquezas.

Pelos motivos citados, os donos do poder e representantes da lei o reprovaram por inteiro. Porém, a leitura da morte de Jesus levando em consideração essa tríplice motivação não exclui, não diminui e nem substitui a interpretação teológica, religiosa e espiritual do fato histórico. Antes ao contrário, lhe dá um sentido mais abrangente e significativo que, neste caso, é a razão da fé que se prolonga em todos os cristãos.

E para quem Jesus ressuscitou? Enche-se de significado aos que crêem afirmar que Ele morreu e ressuscitou para nos salvar. Para redimir a humanidade de todos os pecados. Equivale dizer que seu gesto é a demonstração mais cabal do amor-doação. E que emerge daí o exemplo de que o amor levado às últimas consequências é o caminho para a transformação completa da vida, que se torna eterna. Feliz Páscoa aos que na ressurreição crêem e a todos os outros também!

Obs: O autor é Doutor em Sociologia, pós-doutor em Educação e professor da Universidade Federal do Sul da Bahia

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I