Rômulo Viana 15 de abril de 2021

[email protected]
www.poematisando.blogspot.com

Quem me viu e quem me ve
O que há de dizer pelo meu jeito de ser.
Antes um guerreiro sem tréguas,
Lutando por solução,
Pelo bem da nação
Agora martirizado, Um excêntrico agoniado
Gritando pelo coração decapitado
Meu peito arde,
Minha alma queima.
Deliro. Não sou lírico,
Já fui escritor
Nunca quis ser salvador
E muito menos um poeta fingidor.
Me confundo, Me perturbo
Sou um insano sofredor
Um insano agonizado
Junto com a morte na cama deitado
Vestindo meu terno enbaçado de vidro prateado
Vem o sono,
Vem o sonho,
Trêmulos meus lábios medonhos
Gritam a insistir:

“Me deixem sair! Me deixem sair….”

Obs: O autor é poeta e fotógrafo amador. Trabalha na UFOPA / campus de Óbidos.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I