[email protected]
http://marcelobarros.com

Neste ano, o tema da Agenda Latino-americana 2021 é  a cura da Mãe Terra. Este tema foi expresso pelo título: “Retorno ou não retorno. É tarde, mas é nossa hora”. Chama-se de “não retorno” o ponto no qual o planeta Terra não pode mais recuperar as mínimas condições de sobrevivência. De fato, desde alguns anos, os cientistas vêm alertando que, se prosseguir neste ritmo, a destruição ecológica pode tornar a Terra um planeta desértico e sem vida

Embora ninguém tem certeza de como o Coronavírus apareceu na sociedade humana, está comprovado que o seu surgimento tem alguma coisa a ver com a destruição da natureza. Este vírus existia há bilhões de anos, adormecido na natureza, sem fazer mal a ninguém. Destruído o ecossistema, ele acorda e se multiplica desordenadamente infligindo a humanidade uma tragédia que parece sem fim.

É preciso abrirmos os olhos para vermos a relação entre uma coisa e outra. No mundo, mais de dois terços das grandes florestas estão destruídas, ou em séria ameaça de destruição. Calculam-se que, a cada ano, 50 mil espécies vivas desaparecem da Terra. Na última década, a temperatura média das águas dos oceanos aumentou em mais de um grau.

Diariamente, se lançam no ar, na terra e na água novos produtos químicos que  envenenam os processos da vida. Ainda por muitos anos depois de lançados, continuam causando morte. Por isso, o buraco de ozônio que protege a atmosfera terrestre aumentou e ameaça a vida de populações inteiras e de muitas espécies animais.

As mudanças climáticas que em outras eras geológicas vinham de mutações atmosféricas, agora são provocadas pela própria sociedade humana, especificamente pelo sistema social e econômico dominante que transforma a terra em mercadoria e se preocupa apenas com o seu lucro.

É preciso mudar o sistema de valores subjacente à economia global para torná-la compatível com a dignidade humana e com a sustentabilidade ecológica. O problema não é tecnológico. É cultural, social e político. Por isso, é importante tomarmos consciência da gravidade da situação, aprofundarmos os caminhos de sua superação e nos comprometermos em vivermos um modo novo de nos relacionarmos com a Terra, a água e o conjunto da natureza.

Anualmente, a ONU consagra o 22 de abril como Dia internacional da Mãe Terra. Por feliz coincidência, para as Igrejas cristãs, esta comemoração sempre ocorre durante o tempo pascal, no qual as comunidades celebram a ressurreição do Cristo para serem testemunhas de que a vida vence a morte e o amor terá a última palavra neste mundo.

No Novo Testamento, o apóstolo Paulo falou do Cristo Ressuscitado como sendo o Cristo Cósmico. Hoje, para nós, a presença do Cristo se dá no outro humano, mas também na vida que pulsa no conjunto do universo e na resistência da Mãe Terra.

Há cinco anos, o papa Francisco publicou sua carta sobre o cuidado com a Terra, nossa casa comum (Laudato si). Ali ele propôs a compreensão de uma Ecologia integral que compreende, ao mesmo tempo, o cuidado ambiental, a busca da justiça social e política e também o desenvolvimento da interioridade que nos faz sentir parte do universo e em comunhão com todos os seres vivos. Nesta carta, o papa convida a humanidade inteira a desenvolver uma espiritualidade ecológica e pede às religiões que se unam para ajudar as pessoas a aprofundarem este caminho.

No mundo inteiro, a humanidade redescobre a atualidade dos cultos indígenas e afrodescendentes que aprofundam a intimidade com Deus na relação com a Terra, a água e os elementos do universo.

Também religiões inspiradas em livros, como a Bíblia, refazem caminhos de contemplação do Mistério Divino, presente na Terra e em todos os seres vivos. No Novo Testamento, o apóstolo Paulo falou do Cristo Ressuscitado como sendo o Cristo Cósmico.

Ainda na primeira metade do século XX, Theilhard de Chardin, paleontólogo e teólogo, afirmava: “Até aqui os cristãos buscaram Jesus Cristo em sua forma humana e divina. Agora, Ele se apresenta para nós em seu corpo cósmico que é a Terra”

Obs: O autor é monge beneditino e teólogo católico é especializado em Bíblia e assessor nacional do Centro Ecumênico de Estudos Bíblicos, das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares.
É coordenador latino-americano da ASETT (Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo) e autor de 57 livros publicados no Brasil e em outros países. O mais recente é Teologias da Libertação para os nossos dias (Vozes).

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I