Paulo Cesar Paschoalini 1 de abril de 2021

http://pirafraseando.blogspot.com/

[ (Composição: Alex, Zé Roberto e Paulo (Paschoalini) ]

Bocas em silêncio, depois de falar de amor;

bocas que se buscam, lábios que se tocam.

Bocas que acendem o fogo da paixão,

para incendiar corpo e coração.

.

Bocas de crianças reclamando do abandono;

bocas que insistem em clamar por Deus.

Bocas sempre abertas esperando o pão,

pois a fome dói como a solidão.

.(REFRÃO)

Ah!… Os homens se esquecem

que as bocas existem pra sorrir, contar, falar…

E não pra se calar!

Ah!… Bocas que calam,

que nada falam, mas dizem tudo.

.

Bocas que se abrem num sorriso de alegria;

bocas que declamam versos poesias.

Bocas que transformam, com o seu cantar,

sentimento em sons, pensamento em voz.

.

Bocas que ordenam a matança de milhões;

bocas que se calam ante o mais forte.

Boca de um arma pode ser capaz

de calar a voz e ferir a paz.

.(REFRÃO)

Ah!… Os homens se esquecem…

——————————————–

Antes do surgimento da escrita, e na falta de propagação de imagens, toda a sabedoria que desembocou nos dias atuais foi transmitida de forma verbal, ou “boca a boca”, de pessoa para pessoa.

O cantor e compositor Belchior mencionou em sua música “Como nossos pais” o seguinte verso: “para abraçar seu irmão e beijar sua menina na rua, é que se fez o seu braço, seu lábio e a sua voz”. Desse modo, além de se expressar através da fala, a boca pode demonstrar sentimento através do beijo, por exemplo.

E foi justamente esse trecho da composição o ponto de partida. Bocas que também se alimentam, sorriem e cantam, além de acompanhar a dor do choro pela fome, silenciar por vontade própria, ou calar-se por imposição. Daí veio à tona a poesia/música “Bocas”, composta em parceria com meus irmãos José Roberto e Alex, há mais de 20 anos, baseada numa época em que o mundo tinha conflitos inerentes àquele momento.

O tema abordado na composição não era algo exclusivo daquela época, uma vez que, “desde que o mundo é mundo”, aquilo que menciona o conteúdo é algo recorrente. No entanto, ao tomarmos contato com as informações que temos acesso nos dias de hoje, infelizmente talvez essa letra seja mais atual ainda.

Sempre se falou em amor, mas não de maneira tão superficial. Nunca se viu tanta fome, mas poucas vezes de forma tão cruel. A necessidade de se expressar sentimentos tem extrapolado o que se convencionou chamar de urgência. A violência e armamentos sofisticados jamais mataram tanto.

Apesar de escrever quase sempre de forma livre, dessa vez na letra da música foi utilizada uma estrutura poética chamada de “anáfora”, que caracteriza-se pela repetição de uma ou mais palavras no início de duas ou mais frases sucessivas.

A gravação foi feita em “home studio”, mas entendo que reúne condições para ser ouvida. Penso ser tipo de canção capaz de instigar a nossa reflexão sobre a necessidade de se ter vez e voz no mundo, justamente quando botões e gravatas deliberadamente nos sufocam, não apenas dificultando a respiração, mas, principalmente, para interferir na nossa “inspiração”.

Que a ausência de tempo não nos impeça de ver com a devida clareza e com a dose de humanidade que tanto está em falta ultimamente!

TEXTO: Paulo Cesar Paschoalini

OBSERVAÇÃO:

Texto e música publicados no blog “Revista Vicejar”, em 08.03.2021:

LINK: http://revistavicejar.blogspot.com/2021/03/musica-bocas.html

——————————————–

VÍDEO DIAPONÍVEL NO YOUTUBE:

LINK: https://www.youtube.com/watch?v=1v1FyrbDWto

(As fontes das imagens foram mencionadas no final do vídeo)

===========================================

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I