Betto Santos 15 de março de 2021

[email protected]

Vindo da mente do diretor e roteirista Pete Docter, possivelmente o criador mais sensível da Pixar – vide filmes como “Divertidamente” (2015), “Up, Altas Aventuras” (2009), e “Monstros S/A” (2001) – , Soul (2020) mostra as principais características desse criador: calmo, divertido e extremamente reflexivo. Fora isso, quebra vários patrões estabelecidos e exauridos pela própria Pixar.

O jazz, apesar de ser vendido no trailer como protagonista, na verdade não é. O roteiro foca em seu protagonista de fato e naquilo em que ele acredita ser seu propósito, sempre se confrontando. A vida nos faz olhar para uma jornada, mas dificilmente nos faz duvidar dessa jornada. Por conta disso, foi preciso literalmente morrer para que o protagonista percebesse a que de fato serve a sua vida. A morte aqui surge como uma viagem interna, um autoconhecimento e a introspecção que precede grandes mudanças.

O segundo e terceiro ato, mais precisamente, pertencem ao ritmo mental do protagonista. Quando Joe reduz, o filme também reduz. Quando Joe acelera, o filme também vai junto. Quando Joe se incomoda, os elementos técnicos nos levam a acelerar o nosso próprio ritmo. Nessa modulação perfeita, o roteiro joga fora o conceito básico da ‘volta pra casa’ e vende o conceito da revisita pontual à sua casa. Quase joga fora também a necessidade de um antagonista, pois o antagonismo mora dentro do próprio protagonista.

Mas é ao tratar sobre a morte que o filme se mostra mais puro ainda. Ele facilita um conceito complexo. É fato que Soul pode contrariar quem aguarda uma homenagem à profissão de músico, como “Ratatouille” (2007) foi para a de cozinheiro. Soul deixa claro que não é sobre isso. É sobre aquilo que mora em nós, e nem sabemos porquê que aquilo está lá. E mais ainda: É sobre apreciar as pequenas coisas.

É piegas falar que Soul é um filme com muita alma. Eu não cairei nessa armadilha. Soul é sobre gente. É muito sobre quem na verdade está vivo e sabe viver esse negócio chamado vida. É sobre aquilo que podemos ver, sentir, tocar. É sobre as dores da luta. É sobre as dores dessa teima de procurar saber do nosso próprio propósito.

https://www.instagram.com/roberto.santos1

Obs: Imagem do autor

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I