Não me lembro de ter tido, no primário ou no ginásio, qualquer contato  com as conjunções. Nada, a respeito, me foi ensinado. Ninguém teve o trabalho de pegar a conjunção, dissecá-la nas suas duas formas, uma por uma, com os exemplos que facilitam a aprendizagem. Do primário, certeza absoluta. Do ginásio, apenas a leitura de reduzidos textos de autores tradicionais, e, também, dos textos atinentes às figuras gramaticais, e, nestes a conjunção deve ter sido abordada. Uma só explicação fora do roteiro do livro não era expelida. Por outro lado, verdade se proclame, para a justiça ser feita, nada era exigido. O teor dos testes, no ginásio, por exemplo, não guardei. De real é que, nos meus tempos, ninguém foi reprovado em Português. Ora, logo em Português, a notícia de um professor, do Colégio Estadual de Sergipe, considerado uma verdadeira guilhotina, a assombrar o percurso nosso, e, lá, no ginásio, as notas tranqüilas.

O quadro era assustador. Quando cursei o clássico, já no Aracaju, o temido professor não estava mais por lá. Fora ensinar em outras plagas. Não retornou, pelo menos, nos três em que lá passei. Outros professores, na matéria, me esperavam. Nenhum tendo tempo e talento para me entusiasmar. Muitos nomes, substituições frequentes, a cadeira não chegando a ser esquentada por nenhum bum.bum de especialista na matéria. De um complô contra um deles, me lembro bem, participei. Não estava no nível do curso. Lá se foi, como as pombas.

Depois, quando a minha primeira dupla de filhos invadia os segredos e armadilhas da última flor do Lácio, exatamente tendo a conjunção como alvo, perguntei a Helder como as conjunções subordinadas foram focadas. Queria ter uma noção para poder ajudá-lo com explicações e exercícios. A resposta me decepcionou: o professor mandou que a gente estudasse em casa. Ou seja, igualzinho ao meu tempo. O problema é que, eu, interiorano, estudei em escola na qual a professora só detinha o curso primário, na década de cinqüenta, e ginasial no começo de sessenta.  Agora, era escola da capital, professor com diploma superior, outra formação. De comum só um traço: nem os velhos, nem os novos, sabiam nada, não se arriscando a entrar no mato para caçar conjunções. Em suma, tudo como antes no quartel de Abrantes – Correio de Sergipe, 24 de outubro de 2020.

Obs: Publicado no Correio de Sergipe
[email protected]
Membro das Academias Sergipana e Itabaianense de Letras   

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I