[email protected]
dirceubeninca.wordpress.com

O filósofo Friedrich Nietzsche (1844 – 1900) disse que Deus morreu. Não pode ser verdade, em hipótese alguma. Independente do nome que se lhe atribua, Ele está vivo. Muito vivo e presente. Assim creio. – Você tem provas disso, indagou o matemático? – Sim, respondi. – Quais? – Todas aquelas que não podem ser refutadas pela fé e mais todas as que se pode associar pela razão. Então, o antropólogo emendou: – Sim, Ele está presente para vigiar e punir. Essa pandemia é a prova concreta do castigo de Deus sobre a humanidade por causa do pecado. Bem, aí o assunto fica bastante delicado: Será Deus um “vigilante castigador”? Se não o for, por que permite as tragédias, as pandemias e a morte?

Não pretendo refletir aqui sobre as questões acima. Elas são muito complexas e esse texto é muito breve. Ademais, é extremamente difícil tentar explicar a existência, a essência e a atuação de Deus com nossas categorias humanas e científicas. De minha parte, creio que, em essência, Deus é uma profusão de amor; uma fusão de misericórdia com justiça; um misto de cuidado com liberdade. E nisso reside o mistério diante do qual uns duvidam, outros ignoram; uns se amedrontam e outros o buscam e a Ele se entregam.

Se misteriosa é a existência e presença de Deus entre nós, igualmente o é a origem, a consistência, a duração, o trépido fim ou a continuidade da nossa vida. E com a morte em eminência, atacando toda a humanidade de muitos modos e há um bom tempo também de forma persistente, aguda, grave, global e insólita por meio no “novo” (já nem tanto) coronavírus, tais questões emergem ainda mais retumbantes em nós. Neste cenário de morte por atacado, estará a humanidade se acostumando com ela? A pergunta parece mal formulada. Como pode alguém se acostumar ou ficar tranquilo diante da morte, da sua e da dos demais?

Depois de um ano de incômoda (trágica, para um grande número de pessoas) convivência com o Covid-19, entre muitos a solidariedade se fortaleceu, o cuidado consigo e com os outros se ampliou; a dedicação e a abnegação de inúmeros profissionais na linha de frente foi e está sendo algo emocionante. Esse é um lado da história, que precisa sempre ser ressaltado e aplaudido. Entretanto, há outro lado que é o da banalização da doença, do sofrimento humano e da morte. É o lado na negação da importância, do empenho e dos alcances da ciência. Soma-se a isso, o fundamentalismo político, religioso, étnico e de gênero, que produz a cegueira, o fanatismo e, no limite, o patrocínio da barbárie e da morte.

As bandeiras sobem e descem. Depois voltam a subir no campeonato brasileiro (e mundial) da morte. Elas têm cores convencionadas por gravidade de perigo que vão do amarelo ao preto. Neste triste campeonato em que a bandeira preta está hasteada em muitos lugares, precisamos garantir a vitória da vida e da saúde, o que é possível com os cuidados redobrados e vacina para todos, urgentemente! Mas, é indispensável também vencer os negacionismos, o individualismo pessoal e familiar, a cultura do ódio, as guerras mudas sobre assuntos essenciais.

Não podemos ficar indiferentes diante da morte produzida pelo coronário de vírus, bactérias, fome, desigualdades e injustiças. Dar ouvidos a quem grita, estender a mão a quem precisa, superar preconceitos e discriminações, aprender com o sofrimento próprio e alheio, cultivar o diálogo com todos, produzir unidade na diversidade sempre é tempo. E agora é mais necessário do que nunca!

Artigo publicado em:

http://www.ihu.unisinos.br/607161-a-humanidade-se…

Obs: O autor é Doutor em Sociologia, pós-doutor em Educação e professor da Universidade Federal do Sul da Bahia

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I