Ana Eliza Machado 15 de março de 2021

[email protected]
nmpensante.blogspot.com.br

O Senhor entrava, cumprimentava todos com um maneio de cabeça, guardava sua maleta no escritório e sentava-se à mesa.
A Senhora descia de seu quarto, com os olhos no chão, e sentava-se ao lado do marido.
As Crianças voltavam do quintal, correndo, e sob o olhar severo do pai se colocavam à mesa quietas, esperando.
E então comiam em silêncio. Vez ou outra faziam um comentário qualquer sobre o dia, como mandava bem o roteiro, tudo bem ensaiado.
E eles nem percebiam que eu estava ali, e que sabia cada movimento. Parecia uma daquelas sensações de déjà vu, mas não era. Era só o jeito que aquela família era programada.
E eu poderia não estar na sala, e saberia que o Senhor assim que terminasse voltaria para o escritório. Que a Senhora pegaria outro livro para ler no quarto, e as Crianças assistiriam qualquer coisa que estivesse passando na televisão. E assim as horas avançariam, e as Crianças subiriam para dormir. O Senhor também iria para a cama e já encontraria a Senhora dormindo.
E quando a casa despertasse, cada um iria de volta para a sua rotina. O Senhor para a empresa. A Senhora para a loja. As Crianças para a escola. E eu ficaria em casa, arrumando tudo.
Em outras casas que eu trabalhei, a rotina era a mesma. Arrumar as camas, lavar a louça, lavar e passar as roupas. Varrer a casa. Sempre a mesma. Com exceção daquela primeira.
Fernando chegava de noite, isso era certo. Mas não tinha uma hora exata. Chegava e beijava a mulher, Luiza, que costurava alegremente em sua cadeira. Os dois então pediam licença e se retiravam, e eu ia terminar o meu trabalho. De manhã cedo, Fernando ia para o colégio em que dava aula, e Luiza para o hospital, onde era enfermeira. E quando os dois saíam, eu tinha ainda mais coisas para arrumar. Eu tinha seus sonhos presos nas paredes, tinha seu amor impregnado em cada roupa de cama, e sua esperança presa em cada peça de roupa. E eu organizava tudo com muito carinho, limpava tudo com muita dedicação, até que um dia eles chegaram juntos. Felizes juntos. E me disseram que eu os ajudaria a arrumar tudo, porque não morariam mais ali. Agora eles tinham uma nova esperança à caminho, e se mudariam para outro lugar.
E os que vieram depois, não me deram trabalho. Não tinham sonhos, nem paixões, nem esperanças, nem desejos. Não tinham nada. Só tinham sua rotina. Só tinham seus trabalhos. E um dia após o outro, pareciam mais e mais com marionetes muito bem ensaiadas. Ou melhor, cada dia mais como bem programados robôs. 28.08.11

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I