Frei Betto 1 de fevereiro de 2021

http://www.freibetto.org/

O preconceito social não diferencia catador de material reciclável, mendigo e bandido. Os dois primeiros são vistos por muitos como se fossem potencialmente bandidos. Ora, bandido furta ou rouba; mendigo pede; catador trabalha.

O Estado tem a obrigação de cuidar dos três: impedir que um cidadão se torne bandido ou puni-lo, reeducando-o para a sociedade; oferecer  ao mendigo rede de proteção social; reconhecer e assegurar os direitos do  catador. Deve  mostrar à sociedade a importância de compreender o universo do povo da rua, a quem tem a obrigação de garantir direitos à saúde, educação (inclusive profissional), documentação, proteção física, reconhecimento de sua dignidade, abrigo (quando buscam), espaços de arte e lazer etc. Enfim, cidadania.

 “Vale a pena dizer alguma coisa sobre a posição social que os mendigos ocupam, pois quando se convive com eles descobre-se que são seres humanos comuns. Não se pode deixar de ficar admirado com a curiosa atitude da sociedade com relação a eles. As pessoas parecem achar que existe uma diferença essencial entre mendigos e ‘trabalhadores’ comuns. Acham que eles constituem uma raça à parte. Os trabalhadores ‘trabalham’; os mendigos não ‘trabalham’, são parasitas, inúteis por natureza. Dá-se por certo que um mendigo não ganha a vida do modo como um pedreiro ou um crítico literário. Ele não passa de uma excrescência social, só tolerada porque vivemos numa época civilizada, mas ele é essencialmente desprezível.”

 “Contudo, se observarmos de perto, vemos que não há diferença essencial entre o modo de vida de um mendigo e o de inúmeras pessoas
respeitáveis. Os mendigos não trabalham, diz-se. Mas, então, o que é ‘trabalho’? Um operário braçal trabalha brandindo uma picareta. Um contador trabalha fazendo cálculos. Um mendigo  fica ao relento em qualquer tempo, ganhando varizes, bronquite crônica etc. É um ofício como outro qualquer, bastante inútil, é verdade – mas muitos ofícios respeitáveis também são inúteis. E, como tipo social, o mendigo se sai bem na comparação com muitos outros. Ele é honesto, se comparado com os vendedores da maioria dos medicamentos patenteados; de altos
princípios, se comparado  com o dono de um jornal dominical; amável, se comparado com um comerciante que vende a crédito com preços extorsivos. Em resumo, é um parasita, mas um parasita razoavelmente inofensivo. Raramente extrai mais da comunidade do que  uma vida indigente, e paga por isso um sofrimento incessante, o que poderia  justificá-lo, de acordo com nossos padrões éticos. Não creio que exista algo  num mendigo que o coloque numa categoria diferente da de outras pessoas ou que dê à maioria dos homens modernos o direito de desprezá-lo.”

 “Surge, então, a questão: por que os mendigos são desprezados? Pois o são, universalmente. Acredito que seja pela simples razão de que não
conseguem ganhar o suficiente para levar uma vida decente. Na prática, ninguém se importa se o trabalho é útil ou inútil, produtivo ou parasita; a única exigência é que seja lucrativo. Afinal, em toda conversa moderna sobre energia, eficiência, serviço social e coisas assim, o sentido não é senão ‘ganhe dinheiro, ganhe-o legalmente e ganhe muito’? O dinheiro se transformou na grande prova de virtude. Nessa prova, os mendigos são reprovados e, por isso, são desprezados. Se fosse possível ganhar dez libras por semana mendigando, a mendicância se
transformaria imediatamente numa profissão  respeitável. Observado de forma realista, um mendigo é apenas um homem de  negócios que ganha a vida do jeito que dá, como outros homens de negócios. Não  vendeu sua honra – não mais do que a maioria das pessoas modernas. Ele apenas  cometeu o erro de escolher um negócio no qual é impossível enriquecer.”

O texto aspeado, escrito em 1933, é de autoria de Eric Arthur Blair, conhecido pelo famoso pseudônimo de George Orwell (autor de “1984” e “A revolução dos bichos”), e figura no primeiro livro dele, “Na pior em Paris e Londres” (Companhia das Letras, 2006, pp. 200-201).

Quem sabe uma pessoa em situação de rua, com vocação poética, tenha escrito este poema anônimo gravado num muro: “Pra falar a verdade / nunca tive um pijama, / pra que, se nunca tive cama? / Verdade verdadeira, nunca tive um brinquedo, / apenas tive medo. / Mas hoje há  tanto frio, tanta umidade, / que invento um cobertor de sol poente / e um  pijama de sonho em cama quente. / É bom brincar, sonhar em ser  gente.”

Obs: Frei Betto é  autor de 69 livros, editados no Brasil e no exterior.
Autor de “Por uma educação crítica e participativa” (Rocco), entre outros livros.

Copyright 2021 – FREI BETTO – AOS NÃO ASSINANTES DOS ARTIGOS DO ESCRITOR – Favor não divulgar este artigo sem autorização do autor. Se desejar divulgá-los ou publicá-los em qualquer  meio de comunicação, eletrônico ou impresso, entre em contato para fazer uma assinatura anual. – MHGPAL – Agência Literária (m[email protected]) 

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I