O fator alteração para melhor se constituiu num sinal de que meu tempo naquela comarca, a primeira, chegava ao final. O fórum com água encanada, a estrada em construção, ainda que não fosse asfaltada. Pintou a remoção para a segunda e, também, última. Lá tinha fórum, sala de audiência e de despacho uma só. Chegou a água encanada. O telefone, instalado. A estrada para Itabaiana, onde residia, asfaltada. A essa altura, eu me submetia a concurso para juiz federal. O anjo de guarda me anunciou a minha aprovação, que, de fato, ocorreu, com o meu mais profundo esforço, ressalte-se. Era melhorar o sítio que eu ia para outro. Estava escrito.

Depois, foi nova peregrinação. Inicialmente, Piauí, cuja conquista de seu território guardava, ainda que diminutamente, semelhança com a de Nossa Senhora da Glória, no sertão sergipano. A remoção para uma seção na costa nordestina, os coqueirais das praias de Maceió, as mais bonitas do Brasil, depois da praia do Saco, em Estância, guardando, no seu todo, pelo menos na minha suspeita visão, alguma afinidade com a comarca de Campo do Brito. A história se repetia, até que invadi Aracaju e lá estabeleci minha tenda de trabalho. Foi à última remoção, e, aliás, a mais desejada e sonhada, o último lugar do roteiro, como, durante quase duas décadas, acreditei, considerei, anunciei e proclamei. Só não baixei lei a respeito.

Estava enganado. A sereia do segundo grau, quando a minha antiguidade assumiu o primeiro lugar, acordou-se e me seduziu, ela que durante anos e anos se manteve de boca fechada. Não ouvi música para me transformar em pedra. Acenos não me foram dirigidos, nem propostas, decentes ou indecentes, se fizeram presentes. Me mantive sereno, vendo a maré trazer água para minha calçada, a adentrar no meu sapato, alcançando os joelhos, numa provocação que terminou balançando meu coreto. Deixar de ser cozinheiro para passar a frequentar o restaurante. De repente, os argumentos da anunciada recusa deram lugar a um sorriso silencioso de quem, mudando de planos, aceitava o desafio da promoção. Os obstáculos desapareceram. Doze anos já foram ultrapassados. Agora é o horizonte, na frente da caminhada, que se encurta. E é justamente o que, hoje, me incomoda: a ameaça do pijama e a impossibilidade de parar o tempo – Diário de Pernambuco, 29 e 30 de agosto de 2020.

Obs: Publicado no Diario de Pernambuco
[email protected]
Membro das Academias Sergipana e Itabaianense de Letras   

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I