[email protected]
http://ronaldo.teixeira.zip.net/
http://lounge.obviousmag.org/espantalho_lirico/

(Para Nicanor Parra – 1914-2018)

Um louco não se anuncia.
Um poeta também não deve fazê-lo.

Postulados me cansam.
Ando troçando traumas, tratados e tratos.

Não tenho verdades para anunciar.
Apenas velhas e mastigadas questões me ruminam.

Trago apenas uma certeza:
a certeza de que não tenho certeza de nada.

Não professo nenhuma ordem, seita ou método.
Caminho nesse tabuleiro de possibilidades recheadas de dúvidas.

Navego nesse oceano de expressões populares, piadas, trocadilhos e ironias
para não naufragar na baixeza tosca desses homens embrutecidos.

Não tenho necessidade de redenção.
Por isso, esses antipoemas.

Sou um sujeito antipoético e ridículo.
Porque tudo é ridículo e só aderno no cansaço.

Adestrei-me no hábito de simular que era alguém
para que ninguém descobrisse que eu sou ninguém.

Trividido sob a identidade fundamental do existir, sonhar e representar,
ousei ser clown num lugar pleno de tecnocratas.

Como fazer poemas do Olimpo em um mundo em que
o sujeito acorda cedo, teme a deus, dorme mal e se mata de trabalhar?

Pratico um corte verbal que expõe nervos, fibras musculares, ossos e artérias.
Todos plenos da humana totalidade, munida de pensamentos, imagens e associações.

Temos de matar as vacas sagradas da literatura.
Só assim para que o verso popular volte a respirar.

O mundo tem beleza demais.
Por isso, sou esse antipoeta.

Por certo tempo odiei a América Latina, essa mãe velha,
que parece ser a inventora do mal de Alzheimer, mas generosa.

Montei meu esqueleto verbal sobre o decassílabo
porque não pude renunciar à coluna vertebral da minha linguagem-mãe.

Cuspi humor, ironia e sarcasmo – feito um anti-herói –
contra todas as ideologias deformadas.

E o alívio que me resta
é o de saber que nada termina comigo.

Obs: O autor é Jornalista e Gestor Cultural.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I