Segundo o evangelista Mateus disse jesus: “Ai de ti  Corozaim! Betsaida! Porque se tivessem sido feitos em Tiro e em Sidônia os milagres que foram feitos em vosso meio, há muito tempo elas se teriam arrependido sob o cilicio e a cinza. Por isso vos digo: no dia do juízo, haverá menor rigor para Tiro e para Sidônia que para vós!

E nós até quando não perceberemos os milagres e as mensagens diárias do Divino Pai? E continuaremos a praticar tanto iniquidades? Será que não ouvimos:

Ai de ti homem, que maltratas, espancas e chegam ao absurdo do assassinares tua mulher! O que queres provar? Tua total incapacidade de seres homem?  Que falta de respeito, de honra, de amor, de humanidade. Não consegues nem pensar na tua mãe, que por  nove meses te protegeu das agressões do mundo, que te desejou tanto para que viesses preencher o coração dela, mulher que daria a vida por ti. E tu resolves tirar a vida de uma mulher, como tua mãe, símbolo da nossa mãe santíssima. Ai de ti.

Ai de ti mulher que matas uma criança ainda no teu ventre  em nome de tua liberdade. E a liberdade dos nossos filhos? Até quando vamos privar a vida de crianças como:  Miguel Otávio da Silva  (Recife), Agatha Félix (Rio de Janeiro), Lucas Eduardo e Raissa Eloá (São Paulo), Bernardo Boldrini (Rio Grande do Sul), Isabella Nardoni (São Paulo), Joaquim Pontes (São Paulo), Lavínia (Rio de Janeiro),  dentre tantas outras inocentes crianças, vítimas da maldade de adultos e, o que nos choca mais ainda, muitas vezes,  seus parentes.

Ai de vós pais que não cumprem vossas missões tão sublimes de guardarem vossos filhos, de ensinar-lhes o amor, o respeito e conduzirem-nos  à educação, tanto a familiar quanto a formal. Grande são as minhas preocupações convosco quando não são exemplos para vossos filhos. Lembrem o que Jesus falou: “Deixem vir a mim as crianças e não as impeçam; pois o Reino de Deus pertence aos que são semelhantes a elas”. E mais ainda Ele nos disse: “Digo a verdade: Quem não receber o Reino de Deus como uma criança, nunca entrará nele”. Então cuidem dos vossos filhos como o Pai cuida de nós. Não importa a idade que eles se encontram eles continuam sendo vossos filhos.

Ai de ti filho que não honra teus pais, os abandona em asilos desumanos, que não os respeita mais, que os considera “trabalhosos”, que chegam ao ponto de os interpretar com “gagás”. Quantas vezes eles tiveram os mesmos cuidados, que agora requerem, com você? Quantas vezes não os deixastes dormir? Quantas vezes os deixastes apreensivos por estares doente e precisares de atendimento médico, sem escolherem dia, nem hora? Como eles tiveram tanto cuidado com tua alimentação, desde  o aleitamento, a “papinha”, os nutrientes essenciais para teu crescimento, até a tua alimentação saudável na adolescência/juventude e até a tua maturidade. E sempre estiveram querendo o melhor para ti? E hoje tu achas que eles te ocupam demais. Ai de ti.

Aí de vós governantes (alguns) que enriquecem às custas das misérias alheias. Semelhantes teus, com todos  os direitos de viverem em plenitude, direitos doados por nosso Deus Pai. E vós usurpam desses direitos. Privando muitos de terem, no mínimo, um emprego digno, e assim possam se manter, terem um lar, promoverem a educação de seus filhos, garantirem a saúde e bem estar da família. Por que não escutam o que Ele vos fala? Como conseguem encostar a cabeça e dormirem à noite. Como levantam cada dia e  já planejam novos ataques aos teus irmãos.

Ai de nós todos que não abrimos os olhos para vermos um mundo diferente, quando não vemos a luz, mesmo o sol nascendo todos os dias, continuamos em escuridão. Não vemos os nossos irmãos, continuamos vendo só o que eles têm, precisamos ver a alma deles. Eles precisam de nós, assim como nós precisamos deles. Ai de nós se não abrimos nossos ouvidos para ouvirmos os encaminhamentos de Deus e se não ouvirmos nossos irmãos.

Aí de nós se não proclamarmos o bem, a solidariedade, o amor, se não dermos glória ao Senhor por sua bondade e extrema misericórdia, que tantas vezes nos perdoa e sempre nos acolhe quando o suplicamos. É preciso que exaltemos o seu nome  que é santo e que nos quer à sua semelhança.

Ai de nós se não cuidarmos do seu Éden para que possamos sentir o perfume de suas flores. Devemos proteger seus animais que hoje estão sendo tão maltratados, precisamos preservar nossos rios  e mares para que possamos contemplar a natureza em toda sua esplendorosa beleza e vê  Deus em cada ser parte dela.

Ai de nós todos se não  abrimos nossos corações e deixarmos Jesus fazer morada nele e assim possamos ser homens, mulheres, pais, filhos, governantes e vivermos como verdadeiros irmãos. Ai de nós.

Obs: O autor, Prof. Dr. Rômulo José Vieira é Acadêmico da Academia de Ciências do Piauí; Acadêmico da Academia de Medicina Veterinária do Piauí; Acadêmico correspondente da Academia de Medicina Veterinária do Ceará; Acadêmico correspondente da Academia Pernambucana de Medicina Veterinária.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I