http://institutodomhelder.blogspot.com
[email protected]

Meus queridos amigos

Os tempos passam, os séculos se sucedem e continuamos a ver pelas ruas mães acompanhadas de filhos menores, já capazes de andar, e mesmo as mães mais solícitas, continuam a esquecer que cada passada normal de adulto vale, pelo menos, meia dúzia de passos de crianças. Clássicos latinos já observaram que de vez em quando a criança precisa dar umas carreirinhas para alcançar as passadas maternas.

Lembro-me da nossa atitude para com o povo. Muitos vencem o preconceito errado de que o povo não vê nada, não sabe nada e é incapaz de qualquer planejamento, por mais simples que seja. Mas na hora de trabalhar com o povo e não para o povo, se esquecem de que o povo tem experiencia de vida, em geral, muito maior do que a nossa, mas não teve, não pode ter, os anos de estudos e de leituras que nós temos. Começam a dar passadas tão largas que obrigam o povo a dar carreirinhas para acompanhar-nos.

Quantas vezes, cedemos a uma tentação muito grave e muito séria.

Com a alegação de que não há tempo a perder, sabemos que nós sabemos fazer, sozinhos, mais depressa e com mais segurança e perfeição, achamos mais fácil e melhor fazer sozinhos do que esperar que o povo faça.

Muita coisa o povo sabe fazer melhor que nós. O que depender de livros, de estudo, claro que quem pode ter o privilégio de anos de estudos e leituras vai fazer melhor e com mais rapidez.

Se não tivermos a inteligência e a coragem de esperar que o povo tente, que o povo faça, mesmo que a princípio demore mais e faça e não apenas para o povo, com defeitos, se não tivermos a decisão de, verdadeiramente, trabalhar com o povo, não teremos a alegria de ver o povo crescer!

A tentação de quem tem dinheiro é tudo querer resolver na base de dinheiro. Assim, o povo jamais vai descobrir que riqueza, a maior de todas, maior que qualquer dinheiro nos bancos, é o povo se unir para fazer o bem. Cada um, isolado, pode muito pouco. Praticamente não pode nada. Não vale nada.

O povo junto para enfrentar construtivamente os problemas da comunidade é a riqueza autêntica das autenticas democracias. Enquanto o mundo inteiro, os governos, não acreditarem na capacidade do povo e tudo planejarem nos gabinetes, e tudo decidirem com técnicos e supertônicos, o povo ficará marginalizado. Mas os governos serão os maiores prejudicados. Tudo que é resolvido para o povo, sem o povo, é artificial, não funciona… Quando aprenderemos a acertar o passo, quando aprenderemos a andar juntos?
Quinta-feira, 23.9.1976

Obs: *Mais uma das crônicas escritas por Dom Helder Camara para o seu programa de rádio UM OLHAR SOBRE A CIDADE, exibido na rádio Olinda às 06h55 de 01 de abril de 1974 a 22 de abril e 1983. Está crônica está publicada no livro “Meus Queridos Amigos”, que reúne 200, das centenas de crônicas lidas por Dom Helder ao longo dos nove anos de duração do programa.

 Imagem e texto enviados pelo IDHEC – Instituto Dom Helder Camara
. Ver AUTORIZAÇÃO do IDHEC no item OBRAS LITERÁRIAS.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I