Ninguém é insubstituível, mas toda regra tem sua exceção. Aliás, para alguns, exceção existe para confirmar a regra. Pois bem, Eduardo Campos foi uma delas. Por desígnios indecifráveis para nós, simples mortais, ele nasceu portador de uma rara inteligência e cresceu num contexto que misturava injustiça, perseguição, dor, compromisso, luta, idealismo, superação, amor, acolhimento, alegria, cultura, filosofia, humanismo, espiritualidade, prosa, poesia e política, em tal escala (e com personagens e “mestres” tão especiais), que lhe permitiu amalgamar uma personalidade ímpar e de enorme potencial. Sua curva de aprendizado (por definição, com erros e acertos), tanto acadêmica quanto a de gestor público e política, iniciou-se tão precoce que lhe possibilitou um amadurecimento gigantesco e incomum para um jovem homem e amoroso esposo e pai de família. Conforme os anos se passavam, começou a consolidar (inicialmente inconsciente, mas depois, estimulado por muitos, com plena lucidez) o projeto de encarnar e se tornar o estadista e líder que tanto o Brasil precisava para superar uma etapa histórica. Quando a consciência do seu destino de grande homem público passou a dominar sua personalidade, “construiu o caminho” de maneira obstinada, meticulosa e coerente. Nos últimos anos de sua vida pública, dedicou-se a melhorar a eficiência da máquina pública estatal, já que tinha a clareza que, na República, o Estado (e não só a democracia) é do Povo, pelo o Povo e para o Povo, sendo um fundamental instrumento a serviço do bem comum. Para tanto utilizou, com maestria (como se estivesse criando uma obra de arte), o par dialético “Amor e Rigor” na relação com todos que o acompanhavam na sua senda, principalmente os auxiliares diretos que lidavam com a coisa pública, sempre tentando conseguir a melhor contribuição de cada um. Já com os mais simples e menos favorecidos sua ternura era profunda, sincera e admirável e sua faceta mais dura se esvanecia, como por mágica. Como “cimento” de sua missão sempre teve a coragem como parceira, enfrentado e superando as mais difíceis situações e os mais complexos desafios. Inovador e criativo nunca teve medo do novo e sempre permitiu o contraditório, pois sabia de sua importância e riqueza. Mas após a oitiva, o debate e a maturação (sobre qualquer temática) era de um brilhantismo único e especial ao defender suas posições, o que muitas vezes “fragilizava” seus adversários, mesmo os mais ilustres e preparados. Por outro lado, mesmo depois dos enfrentamentos mais ácidos, sabia equilibrar e harmonizar os opostos como ninguém, construindo (dinamicamente) pontes e unidades que só um “mago alquímico” teria condições de fazê-lo, pois tinha a clareza que os desafios brasileiros não poderiam ser enfrentados a não ser com uma grande unidade nacional, que teria a população mobilizada e motivada como fiadora. Enfim, seus incontáveis talentos, valores e longa experiência (acumulada, mas também “herdada”) tinham-no tornado uma figura pública essencial para o presente e o futuro do Brasil e da América Latina. Espero estar equivocado e embotado pela dor, mas acho que seu “encantamento” trágico e precoce vai atrasar em décadas a construção de uma nação mais justa, fraterna, livre e feliz. Apesar deste diagnóstico, resta a todos nós continuar acreditando nos seus mais nobres sonhos e empunhar suas melhores bandeiras, ajudando a construir, de maneira compromissada e competente, um mundo diferente e melhor, torcendo também para que o Universo, que muitos entendem como Justo e Perfeito, como uma forma de compensação compulsória, nos presenteie com muitas e muitas outras grandes almas, como era a de Eduardo.

Publicado no Jornal do Commercio, página14, em 20/09/2014

Obs: O autor, Prof. Dr. Aurélio Molina, Ph.D pela University of Leeds (Inglaterra), professor da UPE, membro das Academias Pernambucanas de Ciências e de Medicina, da Câmara de Bioética do CREMEPE e Coordenador do Curso de Medicina da FCM/UPE. 

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I