Ina Melo 15 de setembro de 2020

[email protected]
http://www.blogdeinamlo.blogspot.com.br/
http://meloina.blogspot.com.br/
http://www.inamelo.blogspot.com.br/

Pelas asas do sonho, num quente dia de verão, retorno ao Café de Flore e o encontro quase vazio. Que bom, pensei! São quase 17 horas. Escolho uma mesa do lado de fora, que costumo chamar de vitrine e com as minhas décadas bem vividas viajo para um tempo longínquo e me vejo como uma jovem dos anos loucos(1930 – 1940), saltitante nos meus sapatos de Cinderela e usando um pequeno chapéu sobre os cabelos louros. Apesar do sol, que nessa época atravessa quase a noite, observo os casais tomando seus lugares,  elegantes e sorridentes. Aqui quase todos se conhecem, observo pelos salamaleques ao se cumprimentarem. Finas e longas taças de cristal tintilam ao serem tocadas para o tradicional brinde! Ergo a minha e vejo diante de mim uma mulher no esplendor dos trinta anos. Alta e bem magra e com um corpo harmonioso. Diferente da maioria das senhoras presentes, veste uma pantalona de cetim beje, com um casaco sem mangas e um profundo decote em  “V”, deixando aparecer as saliências do pequeno busto. Os cabelos pretos,  cortados curtíssimos presos na testa por uma tiara de veludo e a boca pequena em forma de coração, pintada exageradamente de vermelho. Os olhos, cor de violeta, quase encobertos pela cortina dos cilios  carregados de rimel, são lindos. Pergunta: posso lhe acompanhar no brinde? Claro. Respondi erguendo a taça! Pedi que sentasse e começamos uma conversa, como costumamos dizer – sem pé nem cabeça. Com certeza, nem eu nem ela pertencia aquele mundo ali presente, ou eram eles os usurpadores? Na medida que o tempo passava mais animado ficava o Café. O riso corria solto como o vinho. Ao fundo, um homem charmoso cantava belas e românticas canções de amor! Eu e a jovem conhecíamos muitas das estranhas figuras que por ali circulavam, sabíamos seus nomes e o que faziam. Mas uma  coisa eu notava. Ninguém olhava para nós, parecíamos invisíveis. Estávamos na maior euforia por conta das várias taças entornadas,  quando um vozeirão gritou chamando à atenção dos presentes! Viva Claudine! Finalmente te encontrei! Olhei para a moça à minha frente e perguntei. Você pertence a essa época? Ela riu e respondeu. E você? Foi assim que nos conhecemos. Daí por diante formamos um trio e saímos para conhecer as loucuras daqueles seres mágicos e criativos que fizeram  de Paris o paraíso dos pintores, poetas e escritores, pobres ou ricos, para os quais o importante era curtir à vida, fosse de que jeito fosse. Quem sabe se não estavam prevendo os horrores que o mundo ia viver com a segunda guerra mundial! 08/020

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I