Malu Nogueira 1 de setembro de 2020

[email protected]

Saudade a gente sente , quando já viveu alguns anos, quando aprendeu e viveu um pouco neste mundo, tão cheio de dificuldades e entreveros.
Saudade a gente aprende a cultivar e a guardar no fundo do coração, num baú, que com o tempo começa a ficar cheio e ameaça transbordar e pôr para fora algumas das nossas mais caras lembranças, transformadas em saudades grandes ou pequenas.
Aprendi a ter saudade e a me esconder dela, para não sentir tristeza, arrependimento ou saudade dessas saudades, de fases de minha vida que se foram, tragadas pelo tempo, que tudo arrebata e destrói.
Aprendi que tenho que sorrir dessas saudades. Olhá-las e enxergá-las com lentes da experiência. Aprendi que não devo esperar muito das coisas e das pessoas e que a vida segue
em frente, aprendi que esforço nenhum vale a pena, quando se luta com consciências heterogêneas e indiferentes ao que você tenta fazer. Repor minhas energias e me recompensar pelos traumas e felicidades vividas.
A vida nos prega muitas peças , ou serão as pessoas? Às vezes penso que o tempo se confunde com pessoas. Tem pessoas que se perderam com o tempo que as levou, também, pessoas que nos são trazidas pelos ventos da vida e assim, seguem a vida e o tempo, que nos arremessa no turbilhão de incertezas.
Cabe a cada um de nós só pesar o melhor, tanto em quantidade, quanto em qualidade, de pessoas e do tempo, para que nenhum deles seja desperdiçado e venhamos a perder o sabor de termos passado pela vida e pelas pessoas como um leve sopro, que nos arrepiou e passou.
Não deixou saudade. Foi apenas uma folha seca, levada pelo vento e transformada em coisa morta. Gente e tempo são coirmãos da saudade.

Obs: A autora, Maria Lucia de Araújo Nogueira, é advogada.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I