Reflexões iniciais sobre algumas experiências
SP – 26/07/2020

“Quando o muro separa, uma ponte une […]
Você corta um verso, eu escrevo outro […]
De repente, olha eu aí, de novo!”
(M. Tapajós/P. César Pinheiro)

INTRODUÇÃO

  • A Formação política é uma necessidade permanente da luta popular. A classe trabalhadora precisa conhecer a realidade, entender como ela funciona e saber o caminho para transformá-la.
  • Nos momentos de crise, ela aparece como demanda e até tábua de salvação. Em tempos de distanciamento, a formação surge como certa ânsia de fazer (ativismo) ou a justa busca do novo, de alternativas.
  • O isolamento obrigatório, busca saídas e, com isso, gera tensão, conflito, estresse, ansiedade, angústia e até depressão. Mas, com o tempo, se aprende a ver e assumir a situação como desafio e novo posto de luta.
  • Distanciamento, ainda que imposto, pode ser ocasião e útero para forjar a resistência ao fatalismo e romper a sensação de impotência. Mas, se deve-se propor metas limitadas, sem angústia, e como preparação para atuações futuras.   
  • A afirmação é que se pode e se deve fazer formação, a qualquer tempo. E que o modo virtual é um espaço necessário e útil, em diferentes formas de isolamento social, mesmo cercado de limites restritos.
  • Essa compreensão criou uma avalanche de “lives”, chamadas de vídeo e um montão de cursos. Talvez porque muitas reproduzem a forma tradicional, essas iniciativas podem tornar o modo remoto cansativo e chato.
  • Essa constatação diz que não basta ter bom conteúdo, pois, 90% de educadores não estão preparados para o modo virtual que é legítimo e indispensável. Mas, que requer linguagem e meios próprios e acessíveis.
  • Na verdade, toda mensagem precisa de linguagem adequada, conforme o espaço, o momento e o público. Usar linguagem e instrumentos próprios de cada espaço contribui na realização dos objetivos.

FORMAÇÃO POLÍTICA

          É um processo permanente, à serviço de um grupo com horizonte, projeto,       plano  e estratégia de construção de uma nova ordem social. Por isso, traz consigo uma:

  • Dimensão ideológica – a missão é tornar comum, divulgar a mensagem de uma causa, de uma visão de mundo, da mudança estrutural da sociedade.
  • Dimensão política – a tarefa é preparar militantes para a luta de classes que, inseridos na massa, contribuem para implantar a proposta de transformação.
  • Dimensão pedagógica – isto inclui desde a postura pessoal e a didática, até o uso da linguagem e instrumentos adequados, no diálogo educador/educando.

 FORMAÇÃO PRESENCIAL

“… entender não é questão de inteligência, mas de sentir, de entrar em contatoClarice Lispector

  1. É realizada em espaços de encontros, cursos, seminários, estudos … onde há contato direto e se cria uma atmosfera de cooperação e sociabilidade que facilitam o debate, interação, convencimento…
  2. Nesse espaço a Presença das pessoas vêm carregada de sentimentos e vivências que são dimensões que podem levar ao envolvimento e cumplicidade das pessoas.
  3. A atividade presencial orienta e incentiva quem participa para a aplicação criativa de lições e leituras, na sua base social. Sem o esforço permanente e disciplinado, na preparação, participação e aplicação, a atividade presencial se torna apenas a bela semente que não dá fruto.

FORMAÇÃO REMOTA

  • Formação à distância (EAD) – cursos, palestras – é um modo de ensino remoto, planejado, com ou sem espaço presencial, mas sem a interação virtual.
  • Formação virtual é uma atividade remota, onde as pessoas participam, “ao vivo” e, ao mesmo tempo, conectadas em uma plataforma de internet, podendo falar, comentar ou mandar mensagens de texto.

 Conte-me e eu esqueço.
Mostre-me e eu lembro.
Envolva-me e eu compreendo
Confúcio, Filósofo chinês, 551 a -479 a.C.

 FORMAÇÃO REMOTA VIRTUAL
quem ama, faz do longe perto” – anônimo

         a) A forma remota e virtual, já feita em outros tempos, é um modo legítimo de formação, é alternativa de resistência que alimenta a militância e faz a disputa de ideias com um público ampliado. Sua realização desafia o campo da Educação Popular

       b)Hoje, é feito por audioVISUAL que prioriza a imagem que é Comunicação de Massa. É um meio amplo, ágil, instantâneo e eficaz para divulgar fatos, denúncias, fazer agitação e propaganda, usar em aulas e palestras à distância….

Pregue a Boa Notícia, sempre. Se necessário, use palavras”.
Fco. de Assis, século 12.

     c) Porém, precisa ser atrativa, viva, breve, dinâmica, sintética, ligada ao momento. Exige exemplos, metáforas, imagens, som, cor, gráficos, movimento, teatro, símbolos, desenho, mémes, caricaturas, entrevistas, arte de contar histórias… uso de cartaz, luz, quadro, vídeos, cinema, TV, recursos tecnológicos digitais…

     d) Mesmo sem ter todo controle, a formação remota virtual deve escolher onde plantar sua semente. Na sua missão de formar protagonistas, pergunta para quê e para quem anunciar sua causa. O desafio é combater a passividade e individualismo que iludem e fazem do pobre um figurante repetidor de mensagens da dominação.

    e) Experiencias de formação virtual online tem funcionado: quando há coordenação firme que orienta e foca o tema; quando a atividade é breve e pontual; quando há  qualidade dos meios (internet, plataforma); quando o operador de mídia é competente; quando há  bons aparatos do emissor e do receptor; (computador, fone, câmera, telefone); quando mantém as câmaras abertas, atenção  e cuidado na segurança coletiva.

    f) O modo virtual é necessário, mas tem limites: o ambiente é distante, impessoal e genérico; sem a magia do contato e do sentimento; a participação é restrita; tempo de realização cansa; é difícil o controle de transmissão e a reserva do conteúdo.

    g) O limite da participação precisa ser compensado pela preparação (leitura, e debate prévios do tema), pela avaliação do aprendido, pela “tarefa de casa” (estudo, ação, material didático a divulgar. O remoto virtual deve cuidar da linguagem adequada do seu público e pensar na sua escolarização e capacitação técnica, pois, no País, 12 milhões são analfabetas e 40 milhões são analfabetas funcionais.

   h) O modo remoto virtual, como o presencial, exige enorme disciplina – atenção à exposição, rotina individual de leitura e assimilação do tema e o desafio de imaginar a concretização dos conteúdos. Essas atitudes garantem que a atividade vai além do entusiasmo momentâneo.

   i) Algumas atenções – o modo remoto virtual não é a mera repetição do comício, do discurso parlamentar, da aula ou live familiar. O perigo é achar que a inserção na base social pode ser substituída; iludir que pode ter militância sem risco/disciplina e incentivar a prática individualista que nega a necessidade da organização.

 A pessoa aprende 10% do que lê; 20% do que ouve; 50% do que vê e ouve; 70% do que discute com outros; 80% do que experimenta; e 95% do que ensina a outra pessoa.

 LINGUAGEM DA FORMAÇÃO
Tanto a forma presencial como o modo remoto virtual da formação exigem uma:

1) Postura pessoal, aliada ao uso de técnicas, metodologias específicas e recursos pedagógicos próprios do espaço.

2) Sintonia entre educador e público, pois, o domínio e uso da linguagem própria de cada espaço é determinante. O uso incorreto, independente do conteúdo, pode levar a resultados contrários ao objetivo.

3) Domínio na arte da comunicação: saber qual é a mensagem a divulgar – quem é o emissor – qual o veículo usado – quem é o público receptor – qual é a sua reação – como manter e garantir o diálogo.

4) Qualidade nos instrumentos usados pelo emissor e pelo receptor: material didático, aparatos (computador, plataforma, sinal de internet, câmeras, telefones…).

5) Saber que 25% dos brasileiros não têm acesso à internet. Que 45% dos que têm acesso faz isso por telefone. E que 46% da população não tem acesso a computador.

6) Fazer a escolha do instrumento, conforme o público, desde que seja o mais eficaz para transmitir o conteúdo ao grupo. E que o público se aproprie também dos recursos e não se torne dependente da assessoria.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I