Era uma vez um pequeno Senhor de idade, chamado Maurício, que tinha sapatos  grandes, usava um manto preto e um enorme guarda-chuva, e era assim que passeava pelas ruas.   Quando veio o inverno longo, o mais frio que se registrou na cidade de Berlim, o povo começou a ficar zangado.  Os motoristas xingavam, porque o gelo fazia os carros deslizar. Os guardas de trânsito xingavam, porque tinham que ficar plantados no frio. As vendedoras xingavam, porque as lojas eram geladeiras. Os homens dos carros de lixo xingavam, porque a neve não tinha fim. Os vendedores de leite xingavam, porque este congelava. As crianças xingavam, porque as orelhas estavam vermelhas e rígidas, e os cachorros, de tanto frio, nem mais latiam: batiam com os dentes que era coisa feia de se ver.

Num dia gelado destes, com as ruas cobertas de neve, o Senhor Maurício foi passear com seu chapéu azul e pensou: “Como o povo está aborrecido! Está na hora de chegar o verão para as flores crescer!” E enquanto ele andava no mercado central por entre as pessoas enraivecidas, começaram a crescer debaixo do seu chapéu rapidamente muitas tulipas  e rosas e cravos e margaridas. E ele sem perceber o que estava acontecendo, embora o chapéu se levantasse, porque as flores se multiplicavam e não paravam de crescer.

Foi então que uma senhora se plantou diante dele e falou: “Que flores lindas estão saindo de sua cabeça”. Respondeu o senhor Maurício: “Flores na minha cabeça? Impossível!” – “É verdade”, disse ela: “Veja aqui na vitrine que poderá se ver no espelho. Posso colher uma flor?” E o senhor Maurício, quando observou na vitrine, que realmente cresciam flores de sua cabeça, coloridas e grandes, de todo tipo, disse para ela: “Pois não, tome quantas quiser!” – “Eu queria uma pequena rosa”, disse a mulher e foi colher a flor. “E eu quero um cravo para o meu irmão”, falou uma menina pequena. O senhor Maurício se abaixou, para que a menina pudesse alcançar sua cabeça. Mas ele não precisava se abaixar muito, porque era menor dos que outros homens. Muita gente chegou perto, para colher uma flor na cabeça do pequeno senhor Maurício, e ele não sentia nenhum incômodo. As flores cortadas logo tornavam a crescer, e ele sentia como se fosse uma carícia na sua cabeça. O senhor Maurício tinha tanto prazer de presentear flores no inverno gelado. Cada vez mais o povo chegava e sorria e se maravilhava e colhia flores da cabeça do pequeno senhor Maurício, e não dizia mais nenhuma palavra mal-humorada naquele dia nenhum daqueles que tinha apanhado uma flor.

Mas de repente chegou o guarda de ordem, o senhor Maximiliano Kunkel, aquele que há dez anos inspecionava o mercado. Nunca tinha visto coisa igual: Homem com flores na cabeça! – Tratou de atravessar a multidão, para se plantar diante do pequeno senhor Maurício. “Que é isto? Flores na cabeça? Cadê a sua carteira de identidade?” E o pequeno senhor Maurício começou a procurar desesperadamente: “Sempre a carrego comigo, e ainda agora a percebi no bolso!” E quanto mais procurava, tanto mais as flores desapareciam de sua cabeça. “Engraçado”, disse o guarda, “flores na cabeça tem, mas carteira no bolso não tem!”  E o senhor Maurício se angustiava cada vez a mais, procurando o documento até no forro do paletó. E quanto mais se desesperava, tanto mais as flores murchavam, e o chapéu aos poucos baixava na sua cabeça.  Na sua aflição, o Senhor Maurício tirou o chapéu e viu que a carteira estava no forro do mesmo, dentro de um plástico velho. E o pior: os cabelos tinham sumido. Nenhum fio de cabelo na cabeça do pequeno Senhor Maurício que desconcertado passou a mão na careca e logo a cobriu com o chapéu. O policial Max Kunkel falou com voz delicada: “Tudo certo, eis aí a carteira, e nenhuma margarida mais na cabeça”. – “Não Senhor”, disse o Senhor Maurício. Botou a carteira no bolso e correu para casa, o mais ligeiro que podia nas ruas que deslizavam. Chegando alí, ficou muito tempo diante do espelho e disse para seu vulto: “Agora você é careca, Senhor Maurício!”
Wolf Biermann  –

Tradução e comentário Adolfo Temme

Mau humor é contagiante. O aborrecimento é geral como a neve que tudo cobre.
O pequeno Senhor Maurício, pelo ardente desejo, força a chegada da primavera.
Flores nascem de sua cabeça, de sua vontade de aquecer os corações,
e assim faz sorrir os rostos gelados.
Bondade também é contagiante. As más palavras desaparecem.
Mas o milagre não tem lugar dentro da ordem.
O guarda restabelece a normalidade que não conhece rosas no inverno.
No entanto: quem pegou uma flor leva o perfume para casa.

Esta história brincalhona é muito séria. O autor Wolf Biermann tem que aguentar
o regime de Berlim Oriental; atrás do Muro que prende a liberdade.
Só a brincadeira pode com o mau humor generalizado.
Só ela desafia as relações cortadas e o frio das leis
que na pessoa do policial controla a “normalidade” dos subjugados.
A primavera que irrompe o inverno, trazendo flores e amores, reina poucas horas. O Pequeno Senhor Maurício perdeu todos os cabelos.
Mas a vitória foi para quem colheu uma flor.

Obs: O autor é Frade Franciscano, nasceu na Alemanha em 1940.
Chegou ao Brasil como missionário em 1964. Depois de completar os estudos em Petrópolis atuou no Piaui e no Maranhão. Exerceu trabalhos pastorais nos anos 80 em meio a conflitos de terra. Desde 1995 vive em Teresina no RETIRO SÃO FRANCISCO onde orienta pessoas na busca da vida espiritual.   

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I