Há algum tempo atrás, me meti a estrelar um ovo. Busquei dar os mesmos passos de mamãe, a água na frigideira, já recebendo o calor do fogo, um pouco de manteiga que logo se derretia, e, então, quebrar o ovo, com o cuidado da gema se manter intacta. O resto se encarregava o fogo, minha atribuição se limitando a jogar, com a colher, um pouco do líquido em cima da gema e da clara que se formava. O ovo estava estrelado, a clara apresentava uma alvura de dar gosto, tudo na medida para ser devorado.

Outra vez, um botão do paletó se soltando, a exigir ação imediata. Iniciei a cirurgia. Agulha e linha, a dificuldade de inserir a linha no buraco da agulha, seguindo também a mesma trajetória de mamãe, que eu via costurando, passo a passo. Uma vez exitosa a tentativa de assentar a linha, suficiente esta para a operação a ser realizada, o nó dado no final para servir de apoio no momento da operação, me portando exatamente como ela fazia, sem tirar nem pôr. A impressão que me vinha era de vê-la, assumindo meu corpo, nos seus movimentos lentos e precisos, a comandar toda a epopeia de conserto, até, no final, ao cortar a ponta das duas linhas com a tesoura, sem nenhum gesto de cansaço. Era só silêncio.

Tudo nela era repetitivo, saltando diariamente pelas mesmas pedras, sem nunca se arriscar a pisar em pedra desconhecida. Quando os três filhos já eram casados, papai me reclamava (só a mim, a ela, nenhuma palavra), que comia carne frita a semana inteira, para não desperdiçar. É que mamãe continuava a cozinhar como se os filhos ainda estivessem em casa, a mesma metragem de três décadas atrás, quando, naquele exato momento, só ela e papai se mantinham em casa, e, como a comida dela era diferente, feita de encomenda, organismo suave que se desmanchava em dor com qualquer coisa ingerida, toda a carne frita era destinada a ele, que sabia o quanto pesava o desperdício em seu bolso.

Chego à conclusão que o verbo morrer não se lhe aplica, ela, que se mantém viva, como guia de muitos dos meus passos de perfeita imitação. Contudo, não herdei a sua capacidade de raciocínio rápido, a resposta na ponta da língua, enquanto a fogueira ainda queimava. É dessa forma que a palavra saudade guarda algum ranço amargo de falta, que a sua ausência evidencia a todo instante – Diário de Pernambuco, 25 e 26 de janeiro de 2020.

Obs: Publicado no Diario de Pernambuco
[email protected]
Membro das Academias Sergipana e Itabaianense de Letras
  

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I