Frei Betto 15 de julho de 2020

http://www.freibetto.org/

Indignado com o silêncio de Deus perante tanta injustiça no mundo, um homem entrou em uma igreja  e perguntou: “Por que o Senhor não faz nada diante de tanta maldade no mundo?” Deus respondeu: “Já fiz. Fiz você”.

Incomoda-nos o silêncio de Deus, tema recorrente na obra magnífica de Carlos Heitor Cony. Até o papa Bento XVI, ao visitar Auschwitz, em abril de 2010, exclamou: “Por que, Senhor, permaneceste em silêncio? Como pudeste tolerar  isto? Onde estava Deus nesses dias?”

Albert Camus concluiu que ou Deus é onipotente, mas é mau, ou é bom, mas impotente. De fato, paira a indagação se Deus deserdou a humanidade ao se constatar tantas atrocidades: de Auschwitz a Hiroshima; do genocídio indígena na América Latina ao uso de drones made in USA que, no Oriente Médio, provocam destruição e mortes até mesmo em hospitais de campanha dos Médicos Sem Fronteiras. Hordas de imigrantes promovem um novo êxodo rumo a países ditos cristãos e estes, horrorizados, fecham suas fronteiras e seus corações.

Deus faz silêncio na vida de tantos adultos que, na infância, creram nele e, agora, nas pegadas de Nietzsche, o descartam como uma ilusão destinada a tentar compensar na vida além da morte o sofrimento inexplicável nesta existência.

Como Deus pode existir se há tantas crianças condenadas à fome, a doenças incuráveis, à crueldade dos adultos?, perguntava Betinho, meu companheiro na Ação Católica. E aqueles que nele creem são mais éticos e justos do que os ateus? As maiores atrocidades da história foram cometidas por nações que se consideram predominantemente cristãs, como a Inquisição, o colonialismo, a escravatura, o nazismo e as duas grandes guerras.

Ora, quantos cristãos enchem a boca com o nome de Deus, e inclusive o bolso graças a ele, e trazem o coração repleto de ira, ódio, vingança e preconceitos! Quantos exploram a boa fé do rebanho de fieis para extorquir, corromper e multiplicar seus negócios, e ainda prometem o Inferno a quem os denuncia

Até Jesus experimentou o silêncio de Deus: “Meu Pai, meu Pai, por que me abandonaste?” (Marcos 15, 34). Em dois ou três períodos de minha vida, como na prisão sob a ditadura civil e militar, também indaguei onde Deus se escondia.

Não é a fé em Deus que importava para Jesus. A fé é um dom, e muitos não o receberam. O importante para ele era se a pessoa vivia, ainda que sem fé, os valores humanos (que coincidem com os valores evangélicos): amor ao próximo, justiça aos oprimidos, solidariedade, tolerância e compaixão. Quem assim age faz o que Deus espera de cada um de nós.

Por isso Jesus enfatizou que muitos que não creem e abraçam tais valores haverão de perguntar do outro lado da vida: “Quando te vimos com fome e te demos de comer?” E o Senhor dirá: “Todas as vezes que fizeste isso ao menor dos meus irmãos, a mim o fizeste” (Mateus 25, 37-40).

Jesus não veio fundar uma religião ou uma Igreja. Veio nos propor um novo projeto civilizatório, baseado no amor e na justiça – a globalização da solidariedade, como definiu o papa João Paulo II. No reino de César, ele pagou com a vida o fato de anunciar um outro reino, um “outro mundo possível”, o de Deus. Não, como muitos pensam, situado apenas do outro lado da vida, mas aqui e agora, e cujo protótipo ele encarnou. Por isso nos ensinou a orar: “Venha a nós o vosso Reino”.

O modo de entender a presença de Deus em nossas vidas depende da ideia que temos de Deus, como o demonstra a emblemática história de Jó, cujos amigos, inconformados diante daquela fé inabalável, o instigavam a repudiar Deus que o fazia sofrer.

Certa vez, indignado com o silêncio omisso de Deus perante tanta injustiça, um homem entrou em uma igreja vazia e, junto ao altar, pôs-se a gritar: “Tanta maldade no mundo, e o Senhor não faz nada? Não reage à violência, à miséria, a tanto sofrimento de suas criaturas?”

Deus quebrou o silêncio e respondeu: “Eu já fiz.”
“Como já fez? Fez o quê?”, indagou o homem revoltado.
“Fiz você”, disse Deus.

Obs: Frei Betto é escritor, autor de “Reinventar a vida” (Vozes), entre outros livros.

Copyright 2020 – FREI BETTO – Favor não divulgar este artigo sem autorização do autor. Se desejar divulgá-los ou publicá- los em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, entre em contato com – MHGPAL – Agência Literária ([email protected])

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I