[email protected]

A Bíblia Sagrada nos diz que a morte é o início de outra vida, com Deus , sem o corpo material, sujeito às mazelas terrestres, de quando está vivo.
A vida extingue-se e surge de outra forma, que ainda não compreendemos. Quem a perdeu não volta para nos dizer como é do outro lado.
Também a morte constitui o grande enigma que intriga a humanidade.
Para os céticos, a morte é a exterminação da vida, acaba-se tudo e não se vai a lugar nenhum. Outros menos radicais acham que se retorna noutro corpo, de uma criança que nasce.
A exterminação da vida pela morte não é um tema fácil de abordar, posto que, teologicamente, é ainda um tabu. As pessoas procuram ignorar ou encerrar no fundo do coração, como algo a ser resolvido pós-morte , por quem ficou na terra.
Entendo que a morte, como sendo o prolongamento do esquecimento, seja uma coisa temerária de concordar, vez que a pessoa quando morre é lembrada por seus atos. Ela se vai, mas sua história fica. Seus descendentes são a recordação mais viva dessa sua passagem nesse mundo.
Os filhos do falecido representam uma semente que vingou, que deu novos frutos e que carrega o histórico genético, que perpetuará sua estirpe.
O esquecimento pode ocorrer, quando o falecido não deixa família, não foi amado na comunidade e, nem se esforçou para realizar um trabalho digno que o lembrasse quando partisse.
Muitas pessoas nascem e deixam sua luz por onde passam. Essa luz não se extingue, nem com sua morte e seus nomes não ficam no escuro do esquecimento.
Outras vêm e apagam a luz, extinguindo assim, seu nome, sua presença. Sua lembrança é levada, com a morte.
Por isso, em parte, não concordo com a frase deixada pelo Juiz de Direito, Dr. José Virgínio Nogueira, quando escreveu, em 23/06/2003: “ A morte é a exterminação da vida e o prolongamento do esquecimento”.
Ele se foi, houve a exterminação da vida, porém o esquecimento não chegou aos corações dos seus familiares, que ainda choram sua partida e se ressentem de sua ausência, numa prova inequívoca de que ele semeou vidas e teve uma família que o amou.

Obs: A autora, Maria Lucia de Araújo Nogueira, é advogada.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I