1. “A vida humana… é um mar de fogueirinhas. O mundo é isso: um montão de gente, um mar de fogueirinhas. Cada pessoa brilha com luz própria entre todas as outras. Não existem duas fogueiras iguais. Existem fogueiras grandes e fogueiras pequenas e fogueiras de todas as cores. Há gente de fogo sereno que nem percebe o vento e gente de fogo louco, que enche o ar de chispas. Alguns fogos não alumiam nem queimam; mas outros incendeiam a vida com tamanha vontade que é impossível olhar para eles sem pestanejar e quem chegar perto, pega fogo”. (Ed. Galeano, “Livro dos Abraços”)
  2. De que matéria é feita a militância? Seu exemplo envergonha a mesquinhez, desafia o comodismo e desperta a paixão pela vida. O segredo que nela se faz convicção, é forjada da herança histórica, no exemplo de entrega de tanta gente, homens e mulheres, conhecidos ou anônimos, e no esforço pessoal de estudo e dedicação. Por isso, ela se insurge indignada contra toda forma de injustiça e cheia de ternura pela classe explorada. É capaz de doar a própria vida para que a classe se realize como gente e como povo. Se o mercado lhe tem ódio, novas gerações se engajam na causa da Esperança.
  3. A Luana, por exemplo. Casou-se com quem amava e era feliz com suas herdeiras. Um dia, começou seu inferno. Seu companheiro com mais poder, começou a ganhar mais dinheiro e, junto, uma vida desregrada. A convivência tornou-se um fardo e o casamento um teatro. Anos depois, chega também a fatura: pressão alta, gota, crise renal… hemodiálise, morte dos rins. A saída era o transplante. Quem queria doar não era compatível e quem era compatível não se dispôs a doar. Luna, passando por cima de todas as mágoas, foi lá e, generosamente, doou um de seus rins.
  4. E, o Arnaldo? Já com 70 anos, pouca visão, conscientizava seus irmãos da periferia. Acusado de subversão, foi preso e torturado. O torturador-mor da ditadura, chegou para interrogá-lo. Arrancou seu capuz ensanguentado e o esmurrou por ele não sabia seu nome. Depois, perguntou sobre sete feitos da ditadura e, sete vezes espancou A porque ele não sabia. Foi, então, que sem medo, falou ao algoz: “tomara que esse hôme não faça mais nada, senão eu morro na porrada! Mas, quero que o dotô saiba de uma coisa: o mais que o sinhô pode me fazer é me matar”.  
  5. E o exemplo de Maria Flor? Diretora, diante do desespero das mães e dos míseros recursos para adotar a Educação Integral na Escola, não hesitou: “Não vou perder minhas crianças para o tráfico, pra fome, pra rua! ” Muitos diretores, com certa razão, temiam implantar o programa. Ela reuniu a escola, expôs a pequenez dos recursos e convocou todos para a ousadia. “Ousadia não é romance, irresponsabilidade, aventura; ousadia é o risco de crer e apostar na Esperança. Sem tirar os pés do chão, faremos das tripas coração e seguiremos, confiantes no impossível”
  6. Que dizer do Gregório? Desde pequeno, comeu o pão que o diabo amassou. Mas, em vez de queixumes, encheu-se de indignação contra a vida cachorra que levava seu povo e dedicou a vida na construção da nova ordem social. O ódio do sistema caiu pesado sobre ele: preso, arrastado no asfalto, pisoteado e jogado na solitária. Ao despertar do desmaio, ainda se contorcendo de dor, elevou sua moral na força de suas convicções: “Devo ter feito alguma coisa, senão não estaria assim. Sou mais forte que eles, senão não me poriam nessa jaula. Aqui, é meu novo posto de luta!
  7. O jovem camponês, após tantas derrotas, decidiu sair do movimento. De manhã, comunicaria seu desligamento. A noite foi de pesadelo e insônia – imensa disputa entre sair e ficar, uma batalha. No início da atividade, ele se levanta, vai à frente do plenário. Falou: “pessoal, depois de muito pensar quero dizer a vocês que… aí, seu sobrinho entra correndo e grita: “tiiô, quando eu crescer, quero ser como você!!” Ele só fez emendar o discurso: “… quero dizer a todos que vou continuar”. Uma senhora presente arrematou: “na dúvida, me lembro: quanto mais escura é a noite, mais perto estou da madrugada”. 30/01/2020
Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I