http://pirafraseando.blogspot.com/

No ano seguinte após o fim da II Guerra Mundial, o filósofo francês Jean Paul Sartre publicou seu livro “O Existencialismo é um humanismo”. Embora o cenário fosse pessimista por ter conhecido os horrores do conflito, Sartre dizia que o Existencialismo não era uma filosofia passiva, mas algo capaz de tornar possível a vida humana.

O Existencialismo proposto por esse filósofo francês prega que nós não nascemos prontos e, por essa razão, temos a possibilidade de nos construir durante a vida. Sendo assim, é preciso estar consciente de que nossa ação individual acabará por refletir para toda a humanidade.

Mas o que seria, então, essa nova visão existencialista? O que ela trazia de novo para o ser humano, que faz com que seja objeto de estudos filosóficos para nossa vida?

Angústia e liberdade:

Para o Existencialismo, o homem simplesmente existe e sua essência será aquilo que ele projetar, onde ele estiver inserido. Dessa forma, Sartre diz que o homem tem de construir a si mesmo, pois, caso contrário, ele não será nada enquanto não fizer algo; “o homem é, antes de qualquer coisa, um projeto que vive subjetivamente”, não existindo, desse modo, nada que anteceda esse projeto.

A construção do ser humano é resultado de processos históricos e esse “ser no mundo” não é somente responsável pela sua individualidade, mas por toda a humanidade, pois influenciamos e somos influenciados por tudo. E isso gera nele a angústia, a responsabilidade de decidir seu futuro.

Segundo Sartre, não existe determinismo, pois o homem “está condenado a ser livre”, sendo o único responsável por suas escolhas; agente e fruto da própria liberdade. Ele não nasceu pronto e sua liberdade de escolha possibilita que se torne aquilo que ainda não é. Então, ele seria o que pode-se chamar de “não ser”, algo indefinido e indeterminado, que só será construído por suas ações.

O ser “em-si”, “para-si” e “para-o-outro”:

Quando o ser humano passa a ter consciência de si mesmo e do outro, começa a perceber-se como existência consciente. A relação do homem no mundo se faz com outro ser, distinto de si; o ser das coisas. Esse ser é pleno e idêntico a ele mesmo, que Sartre denomina “em-si”, que não possui história, devir ou potencialidade. “O ser ‘em-si’ apenas é em sua plenitude”.

Além do ser “em-si”, Sartre fala sobre a existência do ser “para-si”, essencialmente humano, que, diferentemente do “em-si”, não é pleno e busca constantemente completar-se. Por ser incompleto, inacabado, é que esse “para-si” vai se construindo através do exercício da liberdade, sendo impossível, portanto, não escolher ser livre.

Sartre concebe também o que ele chama de ser “para-o-outro”. Nesse caso, ele diz que “é necessário reconhecer primeiro o outro como outro para depois o sujeito se reconhecer”. O homem percebe-se e se constrói através da relação com o ser “para-o-outro”, de estrutura conflituosa. Ele menciona, ainda, que o outro representa o limite do seu ser.

Contribuição do Existencialismo

Embora o Existencialismo tenha surgido num período pós-guerra, os conflitos dos dias atuais não são propriamente entre grandes potências, mas eles não deixam de existir de maneira localizada. Estamos assistindo a momentos de elevadas tensões, pelos mais variados motivos.

A relação com o outro é marcada por conflitos que soam como absurdos ao próprio ser humano, mas ele mesmo não se dá conta de que tudo é fruto da sua liberdade de escolha. Apesar de ser responsável pela construção de si, suas atitudes estão muito mais pautadas em atos que contribuem para a destruição da relação com o outro.

Talvez seja esse o ponto crucial que Sartre nos convida a refletir. Realmente é de fato angustiante ter a consciência de ser único responsável pelo seu futuro e ter a percepção de que aquilo que escolhe pode ter influência em toda a humanidade.

REFERÊNCIA: “A construção consciente do homem”, artigo de Isaias Sczuk, publicado pela revista “Filosofia Ciência e Vida” nº 74, em setembro/2012.

===========================================

IMAGEM SUGERIDA: (enviada pelo autor)

Site: https://www.irishtimes.com/

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I