[email protected]
dirceubeninca.wordpress.com

De uma hora para outra, como num passe de mágica, tudo mudou. Grandes, médias e pequenas cidades ficaram desertas por dias e semanas a fio. O comércio parou. Não vende mais o supérfluo e nem o essencial. Estudantes foram impedidos de ir às escolas, faculdades e universidades; e fiéis de frequentar os templos. Fomos proibidos de realizar festas, jogos de futebol e qualquer outro tipo de aglomeração. Orientados por profissionais da saúde, por cientistas, e por muitas pessoas sensatas e responsáveis, passamos a nos isolar do convívio social.

Fomos reeducados a nos lavarmos e nos higienizarmos. É verdade que muitos não tinham e não têm água, nem sabão, desinfetante, álcool em gel ou em líquido. Visitar-nos, nos abraçar e nos beijar virou um grande perigo. Vimos de forma cabal que isso é da essência dos humanos. Mas, agora não podemos. Enquanto isso, algumas autoridades insanas também agiram com grosseria, estupidez, irresponsabilidade e insensatez, desrespeitando as vozes conhecedoras da matéria e os gritos de dor advindos da própria realidade.

Fomos orientados com insistência a tomar distância de idosos, doentes e grupos de risco. Isso que nos era impensável e inconcebível, agora virou um ato de amor. Fomos apartados do mundo real (ficamos apenas com o virtual, do qual muitos já não estavam saindo) e obrigados a nos circunscrever em nosso interior pessoal, em nossas casas ou casebres. Tudo pela emergência inesperada e atroz de um vírus em forma de coroa, que veio para reinar sobre a vida e a saúde dos habitantes pensantes desse planeta. Trouxe-nos a doença, a morte, o desespero e o pânico.

Agora já estamos em uma nova desordem global e globalizante. Nela os desprezados médicos de Cuba se tornaram importantes. Foram enviados e aceitos em várias partes do mundo para prestar ajuda, compartilhando seu saber e sua solidariedade. Muitos outros profissionais desvalorizados, de repente, passaram a ser vistos como heróis. Agora o risco país não tem mais destaque porque todos os países ficaram em risco e perigo. Deixou-se de falar dos países emergentes e dos países desenvolvidos como mais importantes que os países pobres porque o que emergiu e se desenvolveu foi um vírus violento que fez todos se sentirem muito pobres e impotentes.

Na nova conjuntura geopolítica e econômica, a bolsa de valores que pulsava, ficava nervosa e, vez por outra, se abrandava, agora parece que perdeu seu foco e seu valor. Na verdade, muitos passaram a perceber que, dentro e fora das bolsas, o maior valor é o da vida. Até alguns poucos poderosos deste mundo neoliberal, “milagrosamente” e repentinamente perceberam isso. Contudo, ainda não é possível saber se essa conversão abrupta de pensamento irá perdurar para além do pico da pandemia.

Adentramos agora no ciclo da desordem sistêmica, globalizada e pandêmica. Atravessamos a linha vermelha do limite da saúde civilizatória, diante da qual precisamos decidir se seguimos rumo ao caos total ou se aproveitamos as experiências, os recursos econômicos, científicos e tecnológicos para nos reposicionarmos em direção a outra ordem global. Agora orientada pela justiça social e econômica, pelo respeito mútuo, pela solidariedade e pela sustentabilidade integral.

Os tempos não apenas parecem apocalípticos. Eles o são. Muito à semelhança das imagens bíblicas da Torre de Babel e do dilúvio, do qual só se salvou Noé (o justo), sua família e representantes das espécies animais. O vírus mostrou seu superpoder sobre nossa saúde, sobre nossa economia, sobre nossa cultura, sobre nossos relacionamentos interpessoais, familiares, sociais, entre os países e os continentes. Com sua governação globalizada, ditatorial e democratizada ao mesmo tempo, está desafiando a humanidade a se reposicionar. Para onde iremos?31.03.20

Obs: O autor é Doutor em Sociologia, pós-doutor em Educação e professor da Universidade Federal do Sul da Bahia

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I