… quando derem vez ao morro toda a cidade…

  1. O horror da pandemia deve levar todo ser humano a tremer de indignação contra a burguesia. Só um delinquente e malvado pode preferir defender as razões do capital, que os interesses da maioria, e se divertir debochando da agonia dos pobres.
  2. O povo não é o responsável, é vítima. O patrão extrai sua força de trabalho e depois o chuta para as periferias, sem emprego, sem rede de proteção social (água, saúde, atenção médica), sem cultura, lazer… E, no final, paga a conta com seus mortos.
  3. O povo ronda por aí, como ovelhas sem pastor. Pois, uns pedem que fique em casa e outros que saia para trabalhar. Uns dizem que é gripezinha ou falam que o frágil sistema de saúde não tem leitos e os cemitérios vão entrar em colapso.
  4. É fácil pedir que o povo fique em casa, lave as mãos, use máscaras, mas não fala na garantia de emprego, comida, água, assistência médica. Que dizer a 13 milhões de favelados para cuidar, num casebre, tanta gente, amontoada e misturada?
  5. O povo sente o perigo, mas não tem escolha. Sabe que 600 reais é mixaria, pois, sempre recebeu mixaria. Mas, entre morrer na miséria e pegar o vírus, se arrisca na fila da mixaria e da “quentinha”. Se apega a elas como tábuas de salvação.
  6. O povo precisa saber que pandemia exige higiene, distância social, consciência coletiva. Mas, tem que saber também que a raiz da crise atual, revelada pela epidemia, nasce da decisão do país foi optar pela economia em vez de optar pela vida.
  7. O mercado não tem ética, não se propõe salvar as Vidas. O objetivo dos patrões e da elite é aumentar sua riqueza. Chegam a transformar solidariedade em cesta básica para esconder os lucros e ganhar, agora na tragédia e, muito mais, depois.
  8. O Corona vírus desmascara milagreiros e falsos profetas que abençoam a dominação e iludem o povo. São mercenários que, no perigo, abandonam o rebanho, somem em seus refúgios e pedem templos abertos, (seria pelo dízimo?).
  9. Mas, a virose foi uma escola. Mostra que: o trabalho move o mundo; o capitalismo explora e não resolve os problemas; o Estado serve às elites; o SUS está falido; o voto, em geral, não escolhe governos favoráveis aos interesses do povo…
  10. O vírus recorda que militante age em qualquer conjuntura. A quarentena é seu novo posto de luta. Por isso, rompe o isolamento físico, mantendo a relação social; presta assistência solidária limitada e estimula pressão por fundos e políticas públicas.
  11. Os pobres se movem por comida, trabalho e saúde e criaram interajudas solidarias. Mas, vê o governo repassar um trilhão para bancos e uma mixaria, difícil de receber, para milhões de famílias. É difícil prever sua reação frente à fome, desemprego e o montão de cadáveres.
  12. O momento não permite grandes ações. A tarefa, é sobreviver física e ideologicamente e não perder ninguém. É preparar-se para o “dia depois”: olhar o inimigo, estudar, deixar de iludir-se com a lógica eleitoral e pensar numa outra ordem social.
  13. Que o Covid-19 reacenda a faísca deixada pelos mártires operários, em 1886. Eles romperam o medo que conforma, deram a vida por direitos, e anunciaram um mundo, onde a abundância criada pelo trabalho, seja partilhada solidariamente.

01/05/20
Viva o Primeiro de Maio de 2020!

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I