[email protected]
dirceubeninca.wordpress.com

O pânico é um subproduto de situações limites ou de sistemas totalizantes. É muito funcional com mecanismos de exploração e dominação porque opera com vulnerabilidades e medo. Cria a sensação de impotência e tragédia. O pânico pode ter causas reais, concretas e formais. Ou, por outro lado, originar-se de representações simbólicas, psicológicas, culturais e até transcendentais. Mas, nem por isso deixa de ser real e interferir sobre a vida das pessoas, grupos, sociedades locais, nacionais e globais.

Atenção passageiros da nave mundial, estamos atravessando uma área de forte instabilidade e turbulência! Além das turbulências sistêmicas e sistemáticas de ordem política, econômica, social, cultural e religiosa que nos atingem há mais tempo, agora somos assolados pelo assombroso novo coronavírus. Com ele, instaurou-se uma pandemia real e imaginária que se propaga pelo ar e pelas muitas mídias, causando mortes, transtornos diversos, isolamento social forçado e pânico.

A realidade se assemelha ao quadro imaginário apresentado na ficção científica de Elysium. O filme mostra o desespero dos habitantes da terra no ano 2154, diante da miséria e do colapso do planeta. Ao mesmo tempo, retrata a emblemática fuga de alguns muito ricos para uma estação espacial chamada Elysium, onde haveria todas as formas de prazer e bem estar. Trata-se de um paraíso idealizado pelos endinheirados, porém inacessível para o conjunto da população.

O que estamos vivendo atualmente faz lembrar também a história do humorista vestido de palhaço que saiu pelas ruas anunciando que o circo tinha pegado fogo. Ele queria testar a capacidade de mobilização solidária daquela cidade em que o circo se instalara. Muita gente correu atônita para prestar ajuda. No entanto, era mentira, fake news. Passados alguns dias, ironicamente, aquela brincadeira de mau gosto acabou acontecendo e a tragédia foi completa. O palhaço, então, tomado de pânico, saiu aos gritos pela cidade pedindo socorro, mas ninguém apareceu para acudir.

Assim estamos nós, envoltos pela paranoia real e imaginária, e sofrendo consequências graves de mentiras verdadeiras e de duras verdades. A presente pandemia/paranoia se instalou por um vírus, o que também é muito sugestivo. Vírus sempre atemoriza pelo perigo real ou imaginário que traz. Seu poder é tal, mesmo porque sempre vem no plural. Nem se deixa escrever no singular. A humanidade está brincando com vários tipos de vírus, inclusive com o da mentira. Não é sem sentido que alguns afirmam já termos adentrado na era da pós-verdade e do relativismo absoluto.

A humanidade não pode mais continuar com as práticas destrutivas do meio ambiente e de aprofundamento da miséria e da violência, pois não haverá Elysium para todos. Também não pode seguir com a paranoia pandêmica das fake news porque elas instalam a doença, a intolerância, o individualismo, a indiferença, o ódio e o medo. Precisamos enfrentar efetivamente o coronavírus e outros vírus, bem como as dramáticas desigualdades sociais, as insanidades e os insanos que nos governam. Precisamos mais e não menos investimento público em saúde (SUS), educação, trabalho, segurança, seguridade…

Imaginemos uma sensibilização e mobilização mundial como está havendo agora em torno do coronavírus para enfrentar a fome, a falta de trabalho, as doenças do atraso (social) e o surto de doenças ocasionadas pelos “avanços” (científicos e tecnológicos). Imaginemos uma mobilização pra valer a fim de enfrentar as causas das mudanças climáticas, da perda da biodiversidade; para estimular a ecologia integral; a espiritualidade libertadora e o cuidado com a nossa casa comum.

Nesse tempo de quarentena e quaresma, precisamos sim dar uma parada, mas não podemos ficar paralisados. A melhor atitude é aumentar a prudência e o cuidado e diminuir o pânico. A prudência e o cuidado são capazes de salvar, mas a indiferença e o pânico podem nos matar. Precisamos que o amor esteja acima de todos (não o ódio e a estupidez), a saúde acima de tudo, a justiça para todos e a solidariedade por toda parte!

Obs: O autor é Doutor em Sociologia, pós-doutor em Educação e professor da Universidade Federal do Sul da Bahia

Imagem enviada pelo autor.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I