http://institutodomhelder.blogspot.com.br
[email protected]

Meus queridos amigos

Um gerente de fábrica se converteu e, no entusiasmo da conversão, disse um dia: “quero que o ruído das máquinas da minha fábrica se torne hino ao Deus, e que a fumaça de nossas chaminés lembre incenso”.

Tive a confiança de oferecer-lhe esta meditação: para que em tua fábrica, como desejas, os ruídos das máquinas se tornem hino ao Criador e Pai e o fumo das chaminés lembre incenso, é indispensável que tuas máquinas não triturem vidas e que o rolo negro que tuas chaminés vomitam não esteja impregnado do ódio e da revolta de teus trabalhadores.

Ele não escondeu a surpresa e a revolta que minha meditação lhe causou. E perguntou: “o Senhor pensa mesmo que as máquinas de minha fábrica trituram vidas, e pensa que há ódio e revolta dos trabalhadores contra mim?” E acrescentou: “queria que o Senhor visse a festa que eles me fazem no meu aniversário”.

Sem sombra de amargura e sem pretender julgá-lo e, ainda menos condená-lo, lembrei em que sentido as máquinas da fábrica dele trituram vidas. Ele, para aguentar a concorrência de fábricas modernas, que tem máquinas moderníssimas, foi obrigado a comprar máquinas que, segundo ele diz, só faltam falar. Sei que a concorrência é implacável. O sistema é cruel. Quem não entra nele é devorado.

Perguntei então: você se lembra do número de trabalhadores que você tinha? Você se lembra cada máquina moderna e ultramoderna quantos trabalhadores despediu? Ele reagiu rápido: “mas todo trabalhador dispensado saiu com todos os direitos respeitados…”

Aqui está uma das grandes ilusões — a de que adianta, ao ser dispensado, sair com uma soma de dinheiro como nunca o empregado dispensado tinha tido nas mãos, quando se sabe que, em dois tempos aquele dinheiro voa. É terrível o desemprego. É terrível o subemprego. É super terrível o boia-fria…

Ah! Se todas as pessoas de boa fé, bem intencionadas, se unissem para ajudar-nos a mudar, de modo pacífico, mas corajoso e decidido, as estruturas que acabam esmagando mais de dois terços da humanidade! Quarta-feira, 31.1.1979

Obs: *Mais uma das crônicas escritas por Dom Helder Camara para o seu programa de rádio UM OLHAR SOBRE A CIDADE, exibido na rádio Olinda às 06h55 de 01 de abril de 1974 a 22 de abril e 1983. Está crônica está publicada no livro “Meus Queridos Amigos”, que reúne 200, das centenas de crônicas lidas por Dom Helder ao longo dos nove anos de duração do programa.

 Imagem e texto enviados pelo IDHEC – Instituto Dom Helder Camara
. Ver AUTORIZAÇÃO do IDHEC no item OBRAS LITERÁRIAS.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I