A prosa epistolar de Helder Camara está invariavelmente impregnada de entusiasmo, o que se compreende, pois ela serve basicamente para animar a Família Messejanense, ou seja, o grupo feminino & companhia que o acompanha em pensamento, sonho e espiritualidade. Ela contrasta com a poesia helderiana, como já demonstrei aqui em diversos textos de meu blog. Questionadora, expressando até desânimo, sentimento de abandono e frustração, essa poesia revela um Helder crítico, que não teme emitir opiniões um tanto inconvenientes para um bispo.
O que nos interessa aqui é o seguinte: o contraste entre prosa entusiasta e poesia questionadora nos permite penetrar mais fundo na personalidade e nos posicionamentos de um dos mais importantes expoentes do pensamento brasileiro nos anos 1960-1990. Neste texto me restrinjo a apresentar doze poemas que aparecem nas Cartas Circulares de 13-14 de março 1971 e de 16-17 do mesmo mês (respectivamente pp. 127-130 e 136-138 do Volume V, Tomo III da Edição Cepe, Recife).
Na noite de 13-14 de março aparecem sete poemas, Por sete vezes repetidas, Helder se queixa diante de Deus: por que Te escondes tanto?, por que és tão vingativo? por que quase me levas a resmungar? o pouco que consigo fazer não vale nada? a culpa é toda minha? por que Tu amaldiçoas? por que não me dás a mão? Sete amargas exclamações de impaciência diante do silêncio de Deus. É verdade: o início do ano 1971 é particularmente angustiante para o Bispo Helder, perseguido pelo governo, abandonado por parte do clero, incapaz de realizar o que planeja e que constata que o pouco que consegue realizar não é valorizado.

Por que Te escondes tanto?.

Se perguntarem por Teu Nome
que devo responder?
Se rirem de Ti
e disserem
que já morreste,
já não és necessário
e estás sobrando?
Não precisas de conselhos, é claro.
Se tivesse em Teu lugar,
não esmagaria ninguém,
não faria prodígios para exibir-me.
Mas ficaria menos distante,
menos ausente…
Ao menos dos mais íntimos
Não me esconderia tanto (pp. 127-130).

Por que és tão vingativo?

Viste a miséria
de Teu Povo
no Egito.
Não estás cego,
nem surdo,
nem insensível,
nem sem poder.
Precisarei lembrar-Te
que há continentes inteiros
que viraram Egito?…
Salva-nos,
através do Mar Vermelho.
Mas, por Quem és,
não afogues nas águas
os modernos Faraós
e nem mesmo
os seus cavalos (ibidem).

Por que quase me levas a resmungar?

Não me deixes murmurar
Sei
a impressão tristíssima,
que Te causam
os murmuradores (alusão aos ‘murmuradores’ do Livro Êxodo)
Em lugar
de falar entre os dentes,
de soprar desconfianças,
de envenenar,
especializar-me
em ver
o lado bom da vida
e o que há de positivo
no segundo que passa (ibidem).

O pouco que consigo fazer não vale nada?

É verdade, Senhor
que não tenho figos (alusão a Lc 13, 1-9, a parábola da figueira estéril)
ou, quando muito, produzo
figos abortivos,
que até os animais rejeitam…
Mas não vale
a sombra que ofereço?
Não contam
os ninhos
que as aves constroem
confiantemente
em meus ramos?…
Poda-me, Senhor!
Faze enxertos, se preciso.
Não me deixes falhar
aos planos misteriosos
do Senhor e Pai! (ibidem).

A culpa toda é minha?

Pensas em arrancar-me
porque não produzo figos…
Perdoa que te pergunte:
a culpa é toda minha?
não entras em nada,
não tens parte alguma
na minha condição tristíssima
de figueira estéril? (ibidem).

Por que Tu amaldiçoas?

Não creio que ninguém
seja estéril
pelo gosto de não-produzir.
Não creio
que ninguém se alegre
de ser infecundo,
incapaz de reproduzir-se,
de multiplicar-se,
de vencer a morte
prolongando-se nos frutos.
Revê, Senhor, tuas maldições.
Não amaldiçoes ninguém!
E, sobretudo, cuidado:
não cometas a injustiça
de castigar
quem já arrasta a humilhação
de acabar em si mesmo (ibidem).

Por que não me dás a mão?

Exigiste figos
Tentei um esforço máximo.
Forcei as raízes
a sugar, ainda mais, a terra.
Sacrifiquei folhas
pelos frutos.
Os figos estão aí
sem ninguém
que os apanhe…
Manda, ao menos, teus passarinhos,
para que não experimente
a pior das esterilidades
– a de criar frutos inúteis
que acabam caindo
de maduros e podres! (ibidem).

Na noite entre 16 e 17 do mesmo mês, de novo uma carga de poemas desolados. Desta vez são cinco: cadê a terra onde jorra leite e mel? adianta tentar reconciliar oprimido com opressor? como cultivar a alegria nas condições em que vivo? e se o filho pródigo nem pensa em voltar para casa? Tu também não ficaste por vezes desanimado?

Cadê a terra onde jorra leite e mel?

Senhor, cadê o leite,
cada o mel? (alusão ao Livro Êxodo)
Nem maná,
nem as maravilhas
que prometeste.
Longe de mim murmurar.
Bem vês
como Te defendo,
no meio do nosso Povo.
Mas como salvar a alegria
Que tanto exiges
e é de fato sinal
de confiança plena
e de entrega sem limites,
se meu Povo faminto
nem pode dizer que tem fome,
se meu Povo explorado
se mostrar
o mais leve amuo
é preso,
e espancado,
e morto? (pp. 136-138).

Adianta tentar reconciliar oprimido com opressor?

Reconciliar
o oprimido com o opressor,
se este,
não cede uma linha,
continua a arrancar dinheiro
em nome do povo
e nem deixa o povo ver
a cor do dinheiro? (ibidem).

Como cultivar a alegria nas condições em que vivo?

Estas vendo, Senhor
como sem milagre
a alegria, este ano,
não brotará
da terra estorricada
e do chão
queimado de injustiça!? (ibidem).

E se o filho pródigo nem pensa em voltar para casa?

Senhor, o filho pródigo
não pensa em voltar.
Não está desempregado,
nem passando fome,
nem guardando porcos…
Teu dinheiro,
apesar de gastos loucos,
multiplicou-se.
Nem se lembra de Ti.
Nem sabe se existes! (ibidem).

Tu também não ficaste por vezes desanimado?

O demônio do desânimo e da tristeza
não investiu,
muitas vezes,
contra Ti?…
Quando Teus Apóstolos
não entendiam
parábolas simples
como a do Semeador;
quando insistiam
em discussões ridículas
para saber
quem o maior;
quando os Teus
te desafiavam
a fazer prodígios
e Te chamavam, com desprezo,
‘filho do Carpinteiro’;
quando Te acusavam
por andares
com publicanos e pecadoras
e Te chamavam
filho de Belzebu;
quando os mais íntimos
Te abandonavam,
traindo-Te,
negando-Te,
fugindo de Ti;
quando ficaste na Cruz
entre dois ladroes
e tiveste a impressão
de que o próprio Pai
Te abandonava
– que fazias,
como resistias
ao Mestre das intrigas
e Pai da mentira? (ibidem).

O interessante é que, apenas alguns meses antes, em julho de 1970 (talvez em circunstâncias mais favoráveis), Helder Camara escreve, de novo numa só noite, dois poemas que de certo modo contradizem e invalidam os poemas de março 1971. O silêncio de Deus, que tanto agonia o vigilante de março 1971, resulta ser, em última análise, falta de silêncio por parte de quem dEle se queixa.

No silêncio das árvores
Ainda há
o agitar dos ramos
movidos pelo vento…
No silêncio das águas,
ainda há
o marulho das vagas
ou o cantar da correnteza
atravessando as pedras…
No silêncio dos céus,
ainda há
o palpitar das estrelas,
carregado de mensagens…
Aprende
que não basta não falar
para atingires o silêncio.
Enquanto os cuidados te agitam,
ainda não penetraste
na área do grande silêncio.
E aí, somente aí
se escuta a voz de Deus! (Carta Circular 30-31/7/1970, V, II, pp. 40-41).

E, na mesma noite,

O ruído
que impede de ouvir
a voz de Deus
não é
de modo algum
o vozerio dos homens,
o trepidar das cidades
e, ainda menos,
o agitar dos ventos
ou o marulho das águas…
O ruído
que abafa de todo
a voz divina
é o tumulo interior
do amor próprio que estremece,
das desconfianças que se agitam,
da ambição que não dorme (ibidem).

Obs: O autor : “Nasci em Bruges, na Bélgica, no ano de 1930. Estudei línguas clássicas na universidade de Lovaina e teologia em preparação ao sacerdócio católico, entre 1951 e 1955. Em 1958 viajei ao Brasil (João Pessoa). Fui professor catedrático em história da igreja, sucessivamente nos institutos de teologia de João Pessoa (1958-1964), Recife (1964-1982), e Fortaleza (1982- 1991). Sou membro fundador da Comissão de Estudos da História da Igreja na América Latina (CEHILA), fui coordenador para o Brasil entre 1973 e 1978, responsável pelo projeto de edições populares entre 1978 e 1992, e entre 1993 e 2002 responsável pelo projeto “História do Cristianismo”. Entre 1994 e 1997 fui pesquisador visitante no mestrado de história da universidade federal da Bahia. Durante esses anos todos administrei cursos e proferi conferências em torno de temas como: história do cristianismo; história da igreja na América Latina e no Brasil; religião do povo. Atualmente estou estudando a formação do cristianismo nas suas origens, especificamente os dois primeiros séculos.”

Explicação do painel(foto)

O autor é o primeiro à direita.

“O painel do fundo, é um quadro desenhado pela Irmã Adélia Carvalho, salesiana (Filha de Maria Auxiliadora) de Recife e ‘artista da caminhada’, que tem muitos trabalhos na linha de uma Igreja libertadora e colabora em diversos programas de conscientização pela arte.
O tema do quadro pode ser descrito assim: ‘a proposta cristã na confusão do mundo em que vivemos’.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I